PUBLICIDADE

Mortes de idosos por calor cresceram 85% desde 1990, e ritmo deve se acelerar nas próximas décadas

Dados integram estudo divulgado nesta semana por equipe internacional de 114 pesquisadores

15 nov 2023 - 10h41
(atualizado às 13h11)
Compartilhar
Exibir comentários

As mudanças climáticas continuam a ter um impacto agravado na saúde e na mortalidade em todo o mundo, de acordo com um relatório publicado nesta terça-feira, 14, por uma equipe internacional de 114 pesquisadores.

Uma das descobertas mais contundentes é que as mortes relacionadas com o calor de pessoas com mais de 65 anos aumentaram 85% desde a década de 1990, de acordo com modelos que incorporam alterações demográficas e de temperatura. As pessoas nesta faixa etária, juntamente com os bebês, são especialmente vulneráveis a riscos para a saúde, como a insolação.

  • À medida que as temperaturas globais aumentaram, as pessoas idosas e as crianças estão agora expostas ao dobro do número de dias de ondas de calor anualmente do que estavam entre 1986 e 2005.

O relatório, publicado na renomada revista científica The Lancet, também rastreou a perda estimada de renda e a insegurança alimentar.

Globalmente, a exposição ao calor extremo e as consequentes perdas de produtividade ou incapacidade de trabalhar podem ter levado a perdas de rendimento tão elevadas como U$ 863 milhões em 2022. E, em 2021, estima-se que mais 127 milhões de pessoas sofreram de insegurança alimentar moderada ou grave ligada a ondas de calor e secas, em comparação com o período de 1981 a 2010.

"Perdemos anos muito preciosos de ação climática e isso teve um custo enorme para a saúde", disse Marina Romanello, pesquisadora da University College London e diretora executiva do relatório, conhecido como The Lancet Countdown. "A perda de vidas e o impacto que as pessoas experimentam são irreversíveis."

Os indicadores de saúde pública acompanhados no relatório, em geral, diminuíram ao longo dos nove anos em que os investigadores produziram edições da avaliação.

A análise também examinou os resultados de saúde para países individualmente, incluindo os Estados Unidos. As mortes relacionadas com o calor de adultos com 65 anos ou mais aumentaram 88% entre 2018 e 2022, em comparação com 2000 a 2004. Estima-se que 23.200 americanos mais velhos morreram em 2022 devido à exposição ao calor extremo.

Além dos números

Para os profissionais de saúde, as estatísticas não são abstratas. "Esses números me lembram os pacientes idosos que atendo em meu hospital com insolação", disse Renee Salas, médica de emergência do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School.

Renee é uma das coautoras do relatório e disse que vê o projeto como um rastreamento dos sinais vitais de um paciente, mas em escala nacional e internacional.

O valor da The Lancet Countdown é o monitoramento contínuo dos efeitos das alterações climáticas na saúde global, disse Sharon Friel, diretora da Planetary Health Equity Hothouse da Universidade Nacional Australiana. Friel não esteve envolvida no relatório.

Howard Frumkin, ex-assistente especial do diretor de mudanças climáticas e saúde dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), disse que o relatório é um painel valioso, mas que os impactos climáticos com os quais ele mais se preocupava não eram os óbvios destacados. Os investigadores e os políticos precisam prestar atenção aos efeitos na saúde das pessoas deslocadas pelas alterações climáticas e da migração, disse Frumkin.

"Se você está fazendo quimioterapia contra o câncer, ou se está fazendo diálise renal, ou se está fazendo tratamento contra vício em drogas, e precisa se mudar repentinamente, isso é terrivelmente perturbador e ameaçador", disse ele. Frumkin não esteve envolvido no novo relatório, mas foi coautor nas edições anteriores.

Ao longo dos anos, os especialistas em saúde envolvidos neste projeto incluíram mais pesquisas sobre o uso contínuo de combustíveis fósseis como a causa raiz dos problemas de saúde.

"O diagnóstico neste relatório é muito claro", disse Renee. "Uma maior expansão dos combustíveis fósseis é imprudente e os dados mostram claramente que ameaça a saúde e o bem-estar de todas as pessoas."

Adaptação

Os investigadores salientam que os sistemas de saúde e outras infraestruturas sociais das quais os cuidados de saúde dependem não se adaptaram com rapidez suficiente ao nosso actual nível de aquecimento global.

"Se não conseguimos lidar com a situação hoje, é provável que não consigamos lidar com a situação no futuro", disse Romanello.

O relatório deverá ser discutido no encontro anual das Nações Unidas sobre o clima nos Emirados Árabes Unidos, que começa dentro de algumas semanas. Este ano, o debate incluirá uma maior ênfase na saúde humana. /THE NEW YORK TIMES

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade