PUBLICIDADE

Área para ser desocupada por risco de colapso de mina em Maceió é atualizada

O município está em situação de emergência desde quarta-feira, 29, por risco de colapso de uma mina da Braskem

30 nov 2023 - 19h36
(atualizado às 19h46)
Compartilhar
Exibir comentários
O bairro de Mutange corre risco de afundamento
O bairro de Mutange corre risco de afundamento
Foto: Reprodução/TV Gazeta

Após uma decisão da Justiça Federal, desta quinta-feira, 30, a Defesa Civil de Maceió ampliou a área que deve ser desocupada na capital maranhense por risco de afundamento. A área do Bom Parto foi incluida no programa de realocação da Braskem.

A Defesa Civil, junto à Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), elaborou um Mapa de Linhas de Ações Prioritárias, que já está em sua 5ª versão. Nele, foi ampliada a área de realocação.

Mapa da Defesa Civil com as regiões afetadas pelo risco de afundamento
Mapa da Defesa Civil com as regiões afetadas pelo risco de afundamento
Foto: Reprodução/Defesa Civil

O órgão municipal informou que o monitoramento foi intensificado e ressalta que não há riscos imediatos à população.

Alerta máximo

No início da noite desta quinta-feira, 30, a Defea Civil de Maceió informou que permanece em alerta máximo devido ao risco iminente de colapso em uma das minas na região do antigo campo do CSA.

"Estudos mostram um aumento significativo na movimentação do solo na Mina 18, indicando a possibilidade de rompimento e surgimento de um sinkhole", diz o aviso do órgão.

A recomendação é que a população não transite pela área desocupada até uma nova atualização.

Situação de emergência

Desde quarta-feira, 29, o município de Maceió está em situação de emergência, por risco iminente de colapso de uma mina da empresa petroquímica Braskem na Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange.

Segundo o governo do estado de Alagoas, houve cinco abalos sísmicos na área no mês de novembro, e o possível desabamento pode ocasionar a formação de grandes crateras na região.

A Braskem afirmou, em nota, que "em decorrência do registro de microssismos e movimentações de solo atípicas pelo sistema de monitoramento, paralisou suas atividades na área de resguardo". A área de resguardo é uma zona de segurança em torno de poços com problemas de estabilidade na região.

A Braskem disse ainda que a área "foi isolada preventivamente e em cumprimento às ações definidas nos protocolos da companhia e da Defesa Civil."

A exploração de sal-gema pela Braskem em Maceió, encerrada em 2019, levou a um afundamento de solo que obrigou a interdição de uma série de bairros da capital alagoana, gerando acordos bilionários de indenização e compensação.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade