PUBLICIDADE

Coletar, separar, descaracterizar: entenda o processo de reciclagem de cápsulas de café

O Terra visitou uma empresa em São Paulo para ver de perto como funciona esse procedimento; conheça cada etapa da reciclagem

6 nov 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Coletar, separar, descaracterizar: entenda o processo de reciclagem de cápsulas de café
Coletar, separar, descaracterizar: entenda o processo de reciclagem de cápsulas de café
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

Escolher a cápsula preferida, colocar na cafeteira e, na sequência, saborear um delicioso café, chá ou chocolate. Se identificou? Essa é uma ação praticada nos lares de milhões de brasileiros diariamente, mas tão importante quanto essa, é a etapa que vem depois: a de reciclagem das cápsulas. 

Até outubro deste ano, a Nescafé Dolce Gusto reciclou 4 milhões de cápsulas em todo o País. A estimativa é fechar o ano com 7 milhões de cápsulas recicladas. No entanto, para essa iniciativa de sustentabilidade ser possível, o processo precisa começar já dentro das casas dos consumidores, com o descarte responsável das cápsulas usadas.

Esses itens podem ser descartados nas coletas seletivas, que ao irem para cooperativas de reciclagem parceiras, são separadas e buscadas pela empresa, ou diretamente nos pontos de coleta, que são em restaurantes, supermercados e hotéis, por exemplo. Só no Brasil, a marca tem parceria com mais de 110 cooperativas e há mais de 300 pontos de coleta de cápsulas, distribuídos em vários Estados.

"Se a cápsula vai para o resíduo orgânico, a gente não tem chance de coletar e reciclar. Portanto, se o consumidor não tem um ponto de coleta perto, é importante descartar na coleta seletiva", destaca Cecilia Seravalli, Gerente de ESG para Cafés Nestlé.

"Uma das nossas principais iniciativas é aumentar a conscientização sobre a importância da reciclagem e educar os nossos consumidores sobre como dar o melhor destino para as suas cápsulas, além, claro, de oferecer soluções para que as pessoas continuem o ciclo após o consumo", acrescenta.

Depois que as cápsulas são coletadas, ocorre a separação do material de que são produzidas – os principais são plástico e alumínio – do material orgânico e são transformadas novamente em matéria-prima, que, a partir do seu processamento, podem virar novos produtos. Já os demais resíduos são direcionados para melhor reaproveitamento. 

A convite da Nescafé Dolce Gusto, o Terra visitou a Conceito Ambiental, empresa que fica em Osasco, em São Paulo, e faz a separação e gestão dos resíduos das cápsulas da marca, para ver de perto como tudo funciona. Veja a seguir um passo a passo de como é esse processo de reciclagem. 

1 - Separação das cápsulas

As cápsulas de café ou de outras bebidas chegam à Conceito Ambiental vindas das cooperativas de reciclagem parceiras e dos pontos de coleta. Como são entregues cápsulas de todos os tipos de material, a primeira etapa é fazer uma triagem. De forma manual, os funcionários desembalam as cápsulas, separam elas por tipo de material e colocam cada modelo em grandes sacolas de armazenamento.

A primeira etapa é fazer uma triagem das cápsulas
A primeira etapa é fazer uma triagem das cápsulas
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

2 - Secagem

As cápsulas passam por um período de 48 a 72 horas secando dentro das sacolas. Como o processo não utiliza água, é importante que os itens estejam bem secos para o processo seguinte, o de descaracterização das cápsulas.

A segunda etapa é a de secagem das cápsulas
A segunda etapa é a de secagem das cápsulas
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

3 - Descaracterização 

Cada tipo de cápsula vai para uma máquina de descaracterização, que separa o material de que é feita (plástico ou alumínio) do material orgânico (café, leite, chocolate, entre outros).

A fragmentadora é a que faz a separação do material orgânico do plástico, que é o material das cápsulas Dolce Gusto. O equipamento faz a quebra mecânica da cápsula e, na sequência, o material orgânico cai em uma caçamba e os pedaços da cápsula triturada vão para grandes sacolas de armazenamento.

Máquina que faz a descaracterização das cápsulas feitas de plástico
Máquina que faz a descaracterização das cápsulas feitas de plástico
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

Já o moinho faz a separação do material orgânico do alumínio, que é o caso das cápsulas de Nespresso. Após a quebra mecânica, a borra de café é levada por uma esteira, enquanto as partes da cápsula de alumínio trituradas vai por outra esteira. Cada material é colocado em sua caçamba ou sacola respectiva.

Máquina que faz a descaracterização das cápsulas feitas de alumínio
Máquina que faz a descaracterização das cápsulas feitas de alumínio
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

4 - Destino dos materiais

Depois do processo de descaracterização, cada material tem um destino para o seu reaproveitamento. A borra de café é doada para um projeto de agricultores de alimentos orgânicos do distrito de Parelheiros, em São Paulo, e é usada como adubo. Já a outra massa (de leite, chocolate, entre outros) é levada para uma outra empresa que também transforma esses resíduos em adubo orgânico. 

A borra de café e outros materiais orgânicos são doados e usados como adubo
A borra de café e outros materiais orgânicos são doados e usados como adubo
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

O plástico das cápsulas, por sua vez, vai para fornecedores que o transformam novamente em matéria-prima e fazem novos produtos. Por questões legislativas, as cápsulas não podem ser transformadas em novas cápsulas.

Já o alumínio é encaminhado para siderúrgicas para também serem transformados em novos itens, como materiais elétricos e peças de carro.

O plástico das cápsulas vai para fornecedores que o transformam novamente em matéria-prima e fazem novos produtos
O plástico das cápsulas vai para fornecedores que o transformam novamente em matéria-prima e fazem novos produtos
Foto: Marcela Coelho/Redação Terra

* Acompanhe mais notícias sobre o meio ambiente no Terra Planeta.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade