PUBLICIDADE

Festival de dados: além dos tempos do TL2 do GP da Hungria

Indo além dos simples tempos do Treino Livre 2, trazemos dados e gráficos que ajudam a ver onde está cada equipe para o GP da Hungria.

29 jul 2022 - 17h10
(atualizado às 18h08)
Ver comentários
Publicidade
Leclerc e Russell nos treinos livres na Hungria
Leclerc e Russell nos treinos livres na Hungria
Foto: Pirelli / Divulgação

Normalmente, sexta-feira é dia em que não se observam tantas coisas. A maior atenção acaba por ser dada no Treino Livre 2, pois como é perto do horário da classificação e da corrida, os times usam a primeira parte para testar os carros em acerto de volta rápida e a segunda parte, com os chamados “long runs”, a sequencia de voltas.

O quadro de tempos mostra a Ferrari mais rápida. Mas podemos aprofundar um pouco mais os dados. Com isso, contamos com a ajuda do amigo F1DataAnalysis (@f1dataanalysis) para trazer informações interessantes para nos debruçar.

Sobre as voltas mais rápidas, podemos pegar aqui Leclerc, Norris e Verstappen

Comparativo de microsetores das melhores voltas de Leclerc, Norris e Verstappen
Comparativo de microsetores das melhores voltas de Leclerc, Norris e Verstappen
Foto: F1 Data Analysis / Twitter

Desta vez, a Red Bull não foi mais rápida em retas como em outras pistas. Verstappen foi mais rápido em poucos trechos, especialmente a entrada de curvas. A Ferrari mostrou um melhor desempenho geral na volta (em vermelho). O que chamou a atenção foram as marcas da McLaren com Norris. Neste caso, a Ferrari mostra uma estratégia interessante na gestão da energia elétrica...

Embora a Red Bull tenha mostrado problemas de estabilidade, pareceu que poderia estar utilizando modos de motor menos forçados. Embora na Hungria o que vale é um bom chassi e geração de pressão aerodinâmica, os taurinos estejam em um ponto abaixo da Ferrari neste ponto. Seria uma abordagem de “contenção de danos”.

Vendo o quadro de velocidade máxima, esta tese ganha corpo. A Red Bull foi a penúltima na lista de velocidade máxima, considerando a marca piloto mais rápido. A Williams é a mais veloz até mesmo pelas características de seu carro, que não gera tanto apoio aerodinâmico. A Aston Martin trouxe uma asa traseira nova, o que pode ter ajudado também nesta velocidade.

Quadro de velocidades máximas no TL2 do GP da Hungria
Quadro de velocidades máximas no TL2 do GP da Hungria
Foto: F1 Data Analysis / Twitter

A seguir, uma análise entre a velocidade média e a máxima. Este índice acaba por dar uma noção do acerto de cada time. A Ferrari se mostra mais forte, embora McLaren e Red Bull estejam no mesmo nível. A notar o resultado ruim da Mercedes... Outra possibilidade aqui é que alguns times estejam focando em um acerto mais voltado para chuva.

Divisão da velocidade média pela velocidade máxima do TL2
Divisão da velocidade média pela velocidade máxima do TL2
Foto: F1 Data Analysis / Twitter

Para terminar, um gráfico de comparação de aceleração lateral e longitudinal de Leclerc, Norris e Verstappen. Aqui, mostra o desempenho dos carros em freadas, especialmente. A Ferrari tem resultados melhores nas reduções e curvas à direita (aceleração lateral negativa). Red Bull foi mais conservadora (o que pode configurar mais uma vez o uso de menos potência) e a McLaren mostrou bons dados de tração.

Análise das acelerações laterais e longitudinais. Aqui mostra o desempenho em curvas e freadas.
Análise das acelerações laterais e longitudinais. Aqui mostra o desempenho em curvas e freadas.
Foto: F1 Data Analysis / Twitter

 

Parabólica
Publicidade
Publicidade