PUBLICIDADE

Citroën quer ser uma marca internacional com novo C3

Novo Citroën C3 é o primeiro de três carros de volume da marca, que pretende aumentar para 30% suas vendas fora da Europa

17 set 2021 05h00
| atualizado às 08h24
ver comentários
Publicidade
Novo Citroën C3.
Novo Citroën C3.
Foto: Stellantis / Divulgação

O Citroën C3 é o primeiro de três novos carros que a marca francesa lançará no Brasil até 2024. O projeto C-Cubed não significa que serão carros do segmento C e sim três palavras inglesas que começam com a letra C: Cool (legal), Comfort (conforto) e Clever (esperto). O novo Citroën C3 é o primeiro e se posiciona como um hatch B (compacto) com “atitude” SUV. Por isso o carro tem, por exemplo, vão livre de 180 mm.

Os próximos dois carros desta família chegarão em 2023 e 2024. A Citroën não revelou quais serão os modelos, mas os rumores tratam de um sedã compacto e um SUV compacto. O carro foi pensado para a América do Sul e para a Índia, pois o objetivo da Citroën é aumentar para 30% as vendas fora da Europa. Atualmente, a Citroën vende 90% de seus carros no continente europeu.

Veja o primeiro vídeo do novo Citroën C3:

Nos últimos 10 anos a Citroën perdeu muitas vendas na Europa. Em 2010, a marca francesa emplacou 839,2 mil  carros. Em 2019, foram 627,5 mil carros, uma boa recuperação perante os 541 mil emplacamentos de 2016. Em 2020, devido à pandemia, nova queda, desta vez para 449,8 mil. Considerando os números pré-pandemia, a Citroën deve emplacar pelo menos 200 mil carros na América do Sul e na Índia para atingir o objetivo de chegar a 30% de vendas fora da Europa.

No Brasil, a Citroen tem atualmente 123 pontos de venda. Segundo Vanessa Castanho, diretora da Marca Citroën na Stellantis América Latina, o objetivo é chegar a 180 concessionárias quanto o novo C3 for lançado. O carro está previsto para chegar ao mercado no início de 2022.

Numa conversa com alguns jornalistas do setor, Vanessa Castanho falou das ambições da Citroën com o novo C3. A maioria das dúvidas, entretanto, ela não tirou. A marca faz um enorme mistério sobre qual será sua estratégia para o novo C3. Os desafios são grandes. O objetivo da Stellantis é transformar a Citroën numa marca “acessível para todos”. Isso não significa que o carro será mais barato do que seus similares da Fiat e da Peugeot, mas que o custo de utilização será mais viável.

O posicionamento desta nova Citroën vai considerar não apenas o histórico de inovação da marca na França, mas principalmente o lugar que vai ocupar o mercado local. Segundo Vanessa Castanho, talvez não haja muita diversidade em relação aos clientes de outras marcas, mas haverá uma diferença comportamental. O grande desafio é transformar essas teorias de marketing em valores tangíveis para os consumidores brasileiros, sempre desconfiados das marcas francesas.

Bonito o carro é. Ele também traz soluções inovadoras. Se tamanho é documento, a multimídia de 10” já coloca a Citroën em vantagem, pois nenhum carro do segmento B-Hatch tem um display tão grande. “Queremos que os clientes que não conhecem a Citroën olhem a marca como uma opção”, sonha Vanessa Castanho. “Estaremos no segmento B Hatch com uma atitude SUV”, observa.

Vanessa Castanho, da Citroën.
Vanessa Castanho, da Citroën.
Foto: Stellantis / Divulgação

O novo Citroën C3 será fabricado em, Porto Real (RJ) na plataforma CMP. Todas as sinergias que podem ser feitas com a Fiat, por exemplo, estão sendo feitas desde novembro (portanto, antes do início oficial do acordo que resultou na criação da Stellantis). Talvez a grande surpresa seja a estreia do motor 1.0 turbo de 3 cilindros que estava reservado para os modelos da Fiat. 

Se conseguir estrear com este motor, será um golaço da Citroën, pois espera-se que ele seja bem mais eficiente do que os atuais 1.6 aspirado flex de 118 cv e o 1.6 turbo de 173 cv. O motor 1.0 turbo da Stellantis deve ter cerca de 120 cv de potência e cerca de 200 Nm de torque. O alto valor do torque deixaria o carro bem esperto no trânsito urbano.

Guia do Carro
Publicidade
Publicidade