8 eventos ao vivo

Amarok V6 passa a ter 258 cv e fica empolgante na estrada

Volkswagen lança linha 2021 da picape Amarok com 33 cavalos a mais nas duas versões 3.0 V6 turbo diesel. Torque sobe para 580 Nm

29 out 2020
10h30
atualizado em 5/11/2020 às 10h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Volkswagen Amarok V6: agora com 258 cavalos de potência e 580 Nm de torque.
Volkswagen Amarok V6: agora com 258 cavalos de potência e 580 Nm de torque.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

No reino das picapes, a Volkswagen Amarok sempre foi destaque na estrada. Agora, o veículo ficou ainda mais empolgante. A Amarok ganhou 33 cavalos extras na linha 2021 e passou a ter duas versões de 258 cv de potência: V6 Highline e V6 Extreme. Se já era boa com 225 cv, a nova Amarok 3.0 V6 de 258 cv simplesmente não tem concorrentes em sua categoria. A picape que mais se aproxima é a Toyota Hilux GR-S 4.0 V6, que tem 234 cv.

Uma vantagem clara da Amarok 3.0 V6 sobre a Hilux 4.0 V6 é o combustível do motor, que resulta em menor consumo. O V6 da Volkswagen é a diesel, enquanto o V6 da Toyota é a gasolina. A entrega máxima de potência e torque surge antes na picape da Volks. Na Amarok 3.0 V6 os 258 cv estão disponíveis entre 3.250 e 4.000 rpm e o torque de 580 Nm é entregue entre 1.400 e 3.000 rpm. Na Hilux 4.0 V6 os 234 cv estão disponíveis a 5.200 rpm e os 375 Nm de torque surgem a 3.800 rpm. A Amarok ganhou 29 Nm de força.

Caráter estradeiro da picape Amarok ficou ainda mais forte com o V6 mais potente.
Caráter estradeiro da picape Amarok ficou ainda mais forte com o V6 mais potente.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Além das versões V6 Extreme e V6 Highline (que avaliamos), a Volkswagen Amarok tem mais duas versões na linha 2021: Comfortline 2.0 e Highline 2.0. Essas duas utilizam motor de quatro cilindros, também turbo diesel, mas com 180 cv de potência. 

Perde, portanto, para algumas rivais, a saber: Chevrolet S10 (200 cv), Ford Ranger (200 cv), Nissan Frontier (190 cv) e Mitsubishi L200 (190 cv). Ganha apenas da própria Toyota Hilux (177 cv), porém a picape japonesa vai mudar muito em breve. A Volkswagen tirou do catálogo da Amarok as versões 2.0 de 140 cv.

Volante de direção multifuncional, câmbio borboleta e instrumentos da Amarok Highline V6.
Volante de direção multifuncional, câmbio borboleta e instrumentos da Amarok Highline V6.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Mas o desempenho não é o único atributo de venda de um carro. No caso das picapes, a Volkswagen precisava mexer na Amarok porque suas vendas estão muito abaixo do que estavam há um ano. Há dois anos, a Amarok ostentava o 3º lugar nas vendas de picapes médias com carroceria sobre chassi. No ano passado foi ultrapassada pela Ford Ranger e caiu para 4º lugar. Agora está seriamente ameaçada pela Mitsubishi L200. As vendas em 2020 estão piores para todas as marcas, mas as rivais estão se recuperando mais rapidamente.

VENDAS DA AMAROK
PERÍODO 2019

2020

DIF
Agosto 1.638 944 -694
Setembro 1.787 841 -946
Acumulado 14.521 8.809 -5.712
Design da Amarok permaneceu igual ao que era; foco da Volkswagen foi no motor.
Design da Amarok permaneceu igual ao que era; foco da Volkswagen foi no motor.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Voltemos à Amarok V6 de 258 cavalos. É um foguete. As acelerações são realmente muito fortes, não apenas por causa da potência, mas também pela generosa oferta de torque. Ela tem uma aceleração digna de carro esportivo: vai de 0 a 100 km/h em apenas 7,4 segundos. Isso apesar de seus 2.134 kg. Se não bastassem os 258 cv, a função overboost  entrega 14 cavalos extras e aumenta a potência para 272 cv quando o motorista finca o pé no pedal do acelerador, entre 50 e 120 km/h.

As retomadas de velocidade, portanto, são muito boas. Rodando a 80 km/h em Drive, basta fazer o "kick down" para que o câmbio imediatamente passe de 8ª para 5ª marcha, então o carro leva apenas 5,1 segundos para chegar a 120 km/h. É muito fácil atingir velocidades proibidas com esta picape. Mérito total do motor de seis cilindros em V com injeção direta de combustível e duplo comando de válvulas (24V), que teve seu gerenciamento eletrônico modificado para ficar mais potente. O bloco está disposto longitudinalmente sobre o eixo dianteiro.

Multimídia é o Discover Media com App-Connect, composto por tela tátil e vários botões físicos.
Multimídia é o Discover Media com App-Connect, composto por tela tátil e vários botões físicos.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Tanto melhor a experiência ao volante da nova Amarok V6 de 258 cv quanto melhor for a estrada. Isso porque a picape ainda dá muitos pulos ao passar pelas irregularidades do piso. Nesse ponto, a Amarok continua inferior às novas Ranger, S10 e Frontier, que ficaram mais estáveis na estrada. 

Mas, pelo menos, essas trepidações na caçamba não comprometem a estabilidade das rodas dianteiras, de maneira que a Amarok passa confiança para quem está ao volante. A suspensão dianteira é independente, do tipo duplo A. Na traseira, a suspensão usa uma fórmula padrão: eixo rígido com molas de lâmina. Pegamos algumas situações de pista molhada e a tração permanente nas quatro rodas (VW 4Motion) manteve a picape sempre tracionada.

No dia a dia da cidade os pulos da caçamba incomodam mais. É na estrada, realmente, que a picape V6 encontra seu habitat. Para quem viaja na frente, o conforto é impressionante. Os bancos das versões topo de linha são muito confortáveis. Não apenas isso -- eles abraçam o corpo do motorista e do passageiro. 

Grade com cromados horizontais e verticais dão um bom visual na parte frontal.
Grade com cromados horizontais e verticais dão um bom visual na parte frontal.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

A posição de dirigir é excelente, com controles elétricos nos bancos e ajuste do volante de direção tanto em altura quanto em profundidade. O volante tem empunhadura grossa, botões para os principais comandos do carro e da multimídia, com aletas para trocas de marcha manuais.

O câmbio oferece algumas opções. O carro pode rodar em Drive (automático) ou no modo Sport (também automático) e também com as marchas selecionadas pelo motorista, seja pelas aletas do volante ou pela alavanca do console. Apesar do overrboost, há um turbo lag nas acelerações, ou seja, algum retardo nas respostas do turbocompressor às solicitações do acelerador, mas isso não tira o brilho do motor V6. O consumo, evidentemente, é alto: 8,6 km/l na estrada (apenas 0,3 km/l melhor do que na cidade).

Amarok tem tração integral permanente 4Motion, o que garante mais segurança se você pegar chuva na estrada.
Amarok tem tração integral permanente 4Motion, o que garante mais segurança se você pegar chuva na estrada.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

O ruído do motor também não incomoda na cabine, embora seja a diesel. Em Drive, a 100 km/h constantes, o V6 trabalha em 1.250 rpm, subindo para 1.750 giros a 120. Apesar da altura e do peso superior a duas toneladas, a Amarok V6 tem um bom handling (considerando sempre que se trata de uma picape, cujo centro de gravidade é alto). A picape conta com controle eletrônico de estabilidade em todas as versões.

Atrás o conforto é bom, com o mesmo padrão de acabamento. Mas o passageiro do meio sofre por causa do túnel central. Normal, ainda mais numa picape. Outro item bastante elogiável do carro é o sistema de infotainment (Discover Media com App-Connect). Com vários botões de apertar e dois botões de girar, além da tela tátil, a multimídia da Amarok é muito amigável. Tanto visualmente quanto em equipamentos, praticamente não há diferenças entre as duas versões V6. Os pneus padrão são 255/60 R18.

Caçamba da Amarok tem capacidade para transportar 1.280 litros ou 1.156 kg de carga.
Caçamba da Amarok tem capacidade para transportar 1.280 litros ou 1.156 kg de carga.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

A Amarok V6 está com a pré venda aberta. A versão Highline custa R$ 243.290. Ela tem dois pacotes de opcionais: rodas de 19" Milford com pneus 255/55 R19 e estepe temporário de 18” em aço (R$ 3.460) a capota marítima + estribo lateral (R$ 2.975). A versão Extreme sai por R$ 256.390. Também tem dois opcionais: capota marítima (R$ 1.170) e pacote Black Style (R$ 1.880). Esse pacote, que deixa a picape com visual todo escurecido, é a única forma de deixar a Amarok com o visual tão esportivo quanto seu desempenho.

A Amarok V6 Extreme Black Style acrescenta rodas de 20” Talca com pneus 255/50, para-choque traseiro na cor preto fosco, capas dos retrovisores externos na cor preto Ninja (sem cromado inferior), grade dianteira em preto brilhante com frisos horizontais inferiores e verticais cromados, estribos laterais tubulares em aço na cor preto fosco, frisos dos faróis de neblina em preto brilhante e moldura do painel de instrumentos também em preto brilhante.

Em termos de segurança, seis airbags, sistema de frenagem automática pós colisão, controle automático de descida, controle de tração, câmera de ré, isofix, monitoramento de pressão dos pneus e sistema de frenagem sob chuva fazem da Volkswagen Amarok V6 um veículo bem completo. 

Usando a picape no dia-a-dia, às vezes até se esquece que se trata de um veículo utilitário. Essa é uma das queixas dos detratores da Amarok, que não a consideram muito apta para o trabalho pesado, rodando em estradas ruins. Talvez seja preconceito ou má comunicação da Volkswagen para esse segmento, pois a Amarok tem grande capacidade off-road. De qualquer forma, esta é uma missão para as versões de 180 cavalos (agora disponíveis só para vendas corporativas) e não para as V6 de 258 cv (para o público em geral). 

O carro vem com quatro tomadas de 12 volts na cabine e uma na caçamba. A capacidade volumétrica da caçamba é de 1.280 litros. A capacidade de carga útil é de 1.156 kg. O peso máximo rebocável é de 1.710 kg (se o veículo tiver freio; sem freio é de 750 kg). 

Bancos de couro das versões V6 são extremamente confortáveis e abraçam o corpo.
Bancos de couro das versões V6 são extremamente confortáveis e abraçam o corpo.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Com 5,254 m de comprimento e 2,228 m de largura (contando os retrovisores), estacionar às vezes é um dilema. Em alguns estacionamentos com curva de 180 graus, é preciso dar ré, pois o diâmetro de giro é de 12,9 m (número igual ao do Fiat Toro, uma picape bem menor, com 4,944 m). 

Visualmente, a Volkswagen preferiu não mudar nada. O design da picape Amarok é bem conservador. Visto de lado, ela não provoca nenhum entusiasmo. Para deixá-la mais atraente, é preciso apelar para os opcionais. Mas o fato é que a Volks decidiu mesmo apostar no motor, que proporcionou uma relação peso/potência de 8,3 kg/cv. Pelos números, não há concorrência para a Amarok 3.0 V6 de 258 cv e 580 Nm. São 24 cv a mais e incríveis 204 Nm de superioridade em relação à rival direta (Hilux 4.0 V6).

Os números

  • Preço: R$ 243.290
  • Motor: 3.0 V6 turbo diesel
  • Potência: 258 cv de 3.250 a 4.000 rpm
  • Torque: 580 Nm de 1.400 a 3.000 rpm
  • Câmbio: 8 marchas AT
  • Tração: 4x4 permanente
  • Comprimento: 5,254 m
  • Largura: 1,944 m
  • Altura: 1,834 m
  • Entre-eixos: 3,097 m
  • Vão livre: 240 mm
  • Peso: 2.134 kg
  • Pneus: 255/60 R18
  • Caçamba: 1.280 litros
  • Carga útil: 1.156 kg
  • Tanque: 80 litros
  • Aceleração 0-100 km/h: 7s4
  • Velocidade máxima: 190 km/h
  • Consumo cidade: 8,3 km/l
  • Consumo estrada: 8/6 km/l
  • Emissão de CO2: 238 g/km
Amarok V6 tem grande capacidade de enfrentar terrenos de terra também, apesar da fama.
Amarok V6 tem grande capacidade de enfrentar terrenos de terra também, apesar da fama.
Foto: VW / Divulgação

 

Veja também:

Arrizo 6, o sedã chinês que conquista pelo conforto
Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade