PUBLICIDADE

Trump criticado por "incitar" ataques russos à Otan

11 fev 2024 - 20h43
(atualizado em 12/2/2024 às 06h07)
Compartilhar
Exibir comentários

Chefe da Otan diz que republicano mina segurança dos Estados-membros e lança dúvidas sobre comprometimento dos EUA com aliados. Biden vê "sinal verde de Trump" para Putin ampliar conflito na Ucrânia a outros países.O ex-presidente dos Estados Unidos e pré-candidato do Partido Republicano à Casa Branca, Donald Trump, provocou duras reações das nações aliadas após criticar os países que não contribuem o suficiente para a defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).Em evento de campanha no estado da Carolina do Sul, Trump disse que, no caso de um ataque russo a qualquer um dos países que não cumprirem com suas obrigações financeiras para com a aliança, ele, se for presidente, não apenas se recusaria a protegê-los, mas incentivaria a Rússia a "fazer o que diabo eles quiserem" com os maus pagadores.

Jens Stoltenberg e Donald Trump durante cúpula da Otan em 2019
Jens Stoltenberg e Donald Trump durante cúpula da Otan em 2019
Foto: DW / Deutsche Welle

O ex-mandatário, que se referia ao compromisso das nações aliadas de dedicar 2% de seus Produtos Internos Brutos aos gastos militares, fez os comentários ao relatar um suposta conversa que teria tido com um chefe de governo de um país da Otan que ele não quis identificar.

Siga a DW Brasil no WhatsApp

"Um dos presidentes de um país grande se levantou e disse, 'se nós não pagarmos e formos atacados pela Rússia, o senhor nos protegerá?' Eu disse: 'Vocês não pagaram, são inadimplentes? Não, eu não vou proteger vocês. Na verdade, vou encorajá-los a fazerem o que diabos quiserem.'"

A fala de Trump repercutiu mal entre os aliados e gerou alertas em Washington e no exterior de possíveis riscos à aliança, além de aumentar as preocupações sobre o comprometimento americano para com o princípio da defesa coletiva, estabelecido no Artigo 5º do Tratado.

Riscos aos países aliados

Em comiunicado, secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, acusou Trump, de "sabotar a segurança" dos países-membros. "Qualquer sugestão de que os aliados não se defenderão mutuamente mina toda a nossa segurança, incluindo a dos Estados Unidos, e coloca os soldados americanos e europeus em maior risco."

O norueguês enfatizou, no entanto, que a Otan "permanece pronta e capaz de defender todos os aliados" e advertiu que "qualquer ataque" a qualquer um de seus membros "será enfrentado com uma resposta unida e enérgica".

Stoltenberg expressou esperança de que os EUA "continuem a ser um aliado forte e comprometido" da Otan, "independentemente de quem vencer a eleição".

Os Estados Unidos realizarão as próximas eleições presidenciais em novembro de 2024, com uma possível repetição da disputa entre Trump e o democrata Joe Biden, que o derrotou nas eleições de 2020.

"Sinal verde para Putin"

O presidente Biden rechaçou os comentários de Trump que, segundo afirmou, beneficiam apenas o presidente russo, Vladimir Putin: "A admissão de Donald Trump de que pretende dar a Putin um sinal verde para mais guerra e violência, para continuar seu assalto brutal à Ucrânia livre e expandir suas agressões aos povos da Polônia e dos países dos Bálticos é estarrecedora e perigosa."

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, classificou os comentários do republicano como irresponsáveis, que "servem apenas aos interesses de Putin."

A ex-diplomata americana na ONU Nikki Haley, concorrente de Trump à indicação do Partido Republicano, acusou seu ex-chefe de ficar ao lado de Putin. "O que me incomoda nisso tudo é: não fique do lado do bandido que mata seus oponentes. Não tome o partido de alguém que invade um país e deixa meio milhão de mortos e feridos."

Desafios na Justiça

Trump lidera com folga a disputa interna do Partido Republicano na corrida pela Casa Branca. Até o momento, ele venceu todas as primárias que disputou, com ampla vantagem em relação a Haley. Ele é um crítico de longa data da Otan e do que vê como fardo financeiro excessivo dos EUA para garantir a defesa de outros 30 países.

No passado, ele já fez outros comentários questionando o valor da Otan e a ajuda americana à Ucrânia. Os EUA são o maior apoiador do país do leste europeu, tendo, segundo Stoltenberg, enviado mais de 75 bilhões de dólares (R$ 372 bilhões) a Kiev desde a invasão, em 24 de fevereiro de 2022, enquanto outros países contribuíram, juntos, com mais de 100 bilhões de dólares (R$ 495 bilhões).

Paralelamente à campanha, o ex-presidente responde a uma série de ações na Justiça. O republicano enfrenta um processo por fraude empresarial, assim como acusações de tentar reverter o resultado das eleições de 2020, de instigar a invasão do Capitólio, de armazenar ilegalmente documentos confidenciais em sua mansão e falsificar relatórios financeiros relacionados ao pagamento pelo silêncio de uma atriz pornô com quem teria tido um caso extraconjugal, entre outros litígios que pesam contra ele.

rc/av (AFP, EFE, DW)

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade