1 evento ao vivo

Podcasts se reinventam com isolamento e miram novos públicos

O cofundador da produtora Half Deaf, Lucas Patrício, avalia o impacto do novo coronavírus para quem cria conteúdo em áudio para a internet

30 abr 2020
08h00
atualizado às 14h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os podcasts, programas em áudio distribuídos nas plataformas de streaming para música, têm características bem definidas pelo mercado: alto nível de reprodução em dispositivos móveis, retenção acima de 60% e consumo realizado principalmente no trajeto entre casa e trabalho. A pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), no entanto, trouxe não só mudanças para quem produz, mas também para os ouvintes do formato.

Com a necessidade de isolamento social, o trajeto entre casa e trabalho saiu da rotina e abriu espaço para algumas mudanças de hábitos no consumidor de podcasts. No início deste mês, a plataforma para músicas e podcasts Deezer mostrou, em pesquisa, que o horário de pico das reproduções de áudio passaram das 7h para 9h. A utilização de dispositivos também mudou e aumentou em computadores (10%), tablets (20%) e chromecast (102%).

A pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), no entanto, trouxe não só mudanças para quem produz, mas também para os ouvintes de podcast
A pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), no entanto, trouxe não só mudanças para quem produz, mas também para os ouvintes de podcast
Foto: Unsplash

A pesquisa colheu dados de diversos países entre os dias 2 e 22 de março para chegar a essas conclusões. O chefe global de dados e pesquisa da Deezer, Aurélien Hérault, diz que os resultados obtidos pelo levantamento refletem as mudanças que o distanciamento social tem provocado na vida de todos.“É preciso manter os seus filhos entretidos, manter a boa-forma, a saúde mental e, ainda por cima, equilibrar trabalho e tempo pessoal – tudo isso sem sair de casa”, afirma.

As mudanças no consumo de podcasts pode trazer novos horizontes para quem produz o formato. Em uma entrevista para o Terra, o cofundador da produtora de podcasts Half Deaf, Lucas Patrício, avalia os ensinamentos que a pandemia do novo coronavírus deve trazer para quem cria conteúdo em áudio para a internet e traça novas perspectivas para o setor em 2020.

O cofundador da produtora de podcasts Half Deaf, Lucas Patrício
O cofundador da produtora de podcasts Half Deaf, Lucas Patrício
Foto: Divulgação

Terra: O que se pode avaliar sobre o consumo de podcasts durante a quarentena? Aumentou? Diminuiu? Ainda é cedo para ver isso?

Lucas Patrício (LP): O consumo de podcast costuma ser associado à rotina, por isso muitas pessoas deixaram de escutar podcasts quando deixaram de sair para o trabalho, academia ou faculdade, por exemplo. No entanto, a demanda de tarefas domésticas e até mesmo momentos de pouca concentração para trabalho, abriram novas oportunidades para diversos programas.

Terra: Que tipo de oportunidades podem surgir dessa nova rotina dos consumidores de podcasts?

LP: A grande oportunidade criada pela situação é a descoberta dos podcasts por novos ouvintes ou veteranos que encontraram momentos diferentes para consumir os programas. Está acontecendo uma rotatividade interessante em alguns programas, com pessoas descobrindo novos momentos para se conectar com o formato.

Terra: Por que o podcast é uma boa opção de entretenimento na quarentena?

LP: O distanciamento físico traz diversos desafios e, ao contrário do que aparenta, tempo não é um fator exuberante só porque estamos em casa. Em muitos casos, ele é justamente o ponto crítico, já que famílias precisam se virar para cuidar de filhos, pets, trabalho, família e afazeres domésticos. Em todos esses pontos, acredito que o podcast pode ser um grande aliado - tanto como opção de entretenimento quanto como ferramenta de aprendizado.

Terra: Quais são as perspectivas para as produtoras de conteúdo em áudio para 2020?

LP: Se o ano não oferecer o crescimento de investimento publicitário que esperávamos, pelo menos será um momento em que novas pessoas vão começar a escutar, e diferentes formatos ganharão a chance de ser produzidos. Nossa perspectiva é que o amadurecimento do formato seja ainda maior já que produtores e produtoras precisaram se reinventar para manter o conteúdo com qualidade.

Terra: Mesmo com a pandemia, o formato continua atraindo anúncios de marcas?

LP: Os programas continuam com regularidade e episódios inéditos - inclusive considerando toda a situação. Isso torna os podcasts atraentes para o mercado publicitário, ainda que boa parte das empresas passe por momentos delicados e precisam repensar seus investimentos.

Terra: Que tipo de ensinamentos a pandemia pode trazer para quem produz podcasts?

LP: Que bom conteúdo sempre tem espaço, independente do formato. É possível fazer produções remotas com a mesma qualidade, ainda que isso exija um investimento de tempo muito maior - dos apresentadores, roteiristas, diretores e editores. Podcasts podem cumprir uma importante função social de educar e entreter as pessoas durante momentos tão difíceis.

 

Veja também:

#BlackLivesMatter força posicionamento das Big Techs
Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade