0

Brasileiro cofundador do Facebook investe US$ 15 milhões em startup latina

Por meio de seu fundo B Capital Group, Eduardo Saverin liderou um aporte na plataforma mexicana Yalochat

25 ago 2020
17h27
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O brasileiro Eduardo Saverin, um dos fundadores do Facebook, fez seu primeiro investimento na América Latina. O seu fundo, chamado B Capital Group, liderou um aporte de US$ 15 milhões na plataforma mexicana Yalochat, que ajuda empresas a se comunicarem digitalmente com seus clientes. O fundo Sierra Ventures também participou como investidor na rodada.

Ao todo, a Yalochat, que está há cinco anos no mercado, já levantou US$ 25 milhões em investimentos. O sistema da startup permite que seus clientes, como Coca-Cola e Walmart, personalizem o atendimento a seus consumidores por meio de aplicativos de mensagens como WhatsApp, Facebook Messenger e WeChat. A Yalochat afirma que sua plataforma teve um crescimento de 650% em volume de mensagens desde o começo da pandemia, devido ao aumento do atendimento remoto a clientes.

"O comércio conversacional tornou-se uma questão chave para empresas que buscam novas maneiras de interagir com clientes em potencial em seus canais de mensagens preferidos", disse Eduardo Saverin. "Estou pessoalmente ansioso para ajudá-los a criar conexões novas e significativas entre a América Latina, a Ásia e os Estados Unidos, onde a Yalochat pode ajudar as empresas a preencher o espaço entre as soluções de software existentes e o vasto mundo de aplicativos de mensagens."

Com os novos recursos, a startup mexicana pretende investir na expansão de seus serviços para o mercado asiático e também consolidar sua atuação no Brasil e na América Latina.

Saverin ficou famoso mundialmente por ser um dos fundadores do Facebook, responsável pela tecnologia que deu início na plataforma. Depois de um acordo milionário com Mark Zuckerberg, o brasileiro entrou no mercado de investimentos. O fundo administrado por Saverin tem como objetivo ser uma ponte entre o mundo corporativo e startups consideradas por ele como "de qualidade". Entram no radar da B Capital startups em estágio inicial com soluções para serviços financeiros, assistência médica, transporte e bens industriais, entre outros setores.

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade