0

Maior buraco negro já detectado engole o equivalente a um Sol a cada dois dias

16 mai 2018
13h35
  • separator
  • comentários

Pode colocar a música Super Massive Blackhole do Muse para tocar enquanto lê esta matéria. Afinal, a canção da banda Inglesa tem um título apropriado para o fato de que existe um buraco negro supermassivo recentemente detectado por astrônomos australianos, cujo crescimento já se tornou o mais rápido já vislumbrado no vasto universo.

Supermassive black hole
Supermassive black hole
Foto: Canaltech

É possível que os buracos negros supermassivos que existem nos centros das galáxias se tornem absurdamente enormes, atingindo massas bilhões de vezes maiores que o nosso Sol. Todavia, este buraco negro supermassivo específico chamou a atenção pela taxa com que vem crescendo. Seu nome, por sinal, é igualmente inflado: QSO SMSS J215728.21-360215.1, ou apenas J2157-3602 (o que ainda é grande).

O buraco negro gigante descoberto por astrônomos da Universidade Nacional Australiana (ANU) está localizado a 12 bilhões de anos-luz da Terra. Para observá-los, foram usados três instrumentos diferentes: o satélite Gaia da ESA, o satélite Explorador para Pesquisa com Infravermelho em Campo Amplo da NASA, e o observatório de Siding Spring da ANU.

A equipe observou que o J2157-3602 é do tamanho de cerca de 20 bilhões de sóis, e está crescendo a uma taxa de 1% a cada milhão de anos. A cada dois dias, esse buraco negro supermassivo devora uma massa equivalente ao nosso Sol, engolindo poeira, gás, pedaços de destroços celestes e tudo mais o que pode ser absorvido por sua poderosa influência gravitacional. Os astrônomos também notaram que o seu crescimento é recorde, sendo considerado o buraco negro mais rápido em questão de crescimento, e também o maior já detectado. Para completar, o este buraco negro supermassivo está expelindo luz ultravioleta e raios-x a uma taxa que, teoricamente, tornaria toda a galáxia estéril.

Para entender melhor como seria se o J2157-3602 estivesse em nossa Via Láctea, Christian Wolf, principal autor do estudo e astrônomo da ASU, explica que, nessa hipótese, o buraco negro supermassivo pareceria 10 vezes mais brilhantes do que a Lua cheia, e apareceria como uma estrela incrivelmente brilhante no céu, capaz de ofuscar todas as outras. "Novamente, se esse monstro estivesse no centro da Via Láctea, provavelmente tornaria impossível a vida na Terra, por conta das enormes quantidades de raios X que emanam dele", acrescenta.

Isso significa que não é preciso se preocupar com isso por hora, muito embora ainda seja um mistério como esses buracos negros supermassivos alcancem um crescimento em uma velocidade tão rápida desde o Big Bang. Por sinal, os cientistas ainda esperam encontrar outros que estejam aumentando ainda mais rapidamente do que o J2157-3602 e, portanto, as pesquisas continuam.

As pesquisas neste campo visam descobrir um pouco mais sobre como eram as condições no início do universo, e como os elementos eram formados, em especial os metais. Além do mais, os pesquisadores buscam entender como os buracos negros primitivos podem ter gases ionizados ao redor deles.

Canaltech Canaltech

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade