4 eventos ao vivo

PSL busca guinada política após saída de Bolsonaro

Reposicionamento do partido passa por modulação do discurso e alianças estaduais para as eleições de 2020

1 dez 2019
05h11
atualizado às 10h12
  • separator
  • 0
  • comentários

Abrigo da família Bolsonaro nas eleições do ano passado, o PSL prepara um reposicionamento político e estratégico após a anunciada saída do presidente da República, que pretende criar uma nova legenda. Para ampliar sua base nas eleições de 2020, o partido fala agora em se aproximar de governadores e formar alianças que antes esbarravam na resistência dos bolsonaristas.

 O deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente nacional do PSL, no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira, 19. Um dia após a demissão do ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, em meio a denúncias de irregularidades em candidaturas do PSL nas eleições de 2018, Bivar visitou o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.
O deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente nacional do PSL, no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira, 19. Um dia após a demissão do ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, em meio a denúncias de irregularidades em candidaturas do PSL nas eleições de 2018, Bivar visitou o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.
Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

A expectativa entre os aliados do deputado Luciano Bivar (PSL-PE), presidente e fundador do partido, é que a dissidência deve reduzir a bancada de 53 deputados para um número entre 27 e 30 parlamentares. Isso não afetaria, porém, o tempo de TV no horário eleitoral nem os R$ 358 milhões que o PSL terá para gastar no pleito de 2020 - R$ 245 milhões do Fundo Eleitoral e R$ 113 milhões do Fundo Partidário. O cálculo é com base na bancada eleita em 2018.

Com esse ativo o partido se tornou um aliado cobiçado. Em São Paulo, a sigla tem conversado com o governador João Doria e pode formar uma chapa com o PSDB na disputa pela prefeitura da capital. A ideia de reunir Bruno Covas e a deputada federal Joice Hasselmann é defendida abertamente por Doria, que é visto como adversário político por Bolsonaro.

A aproximação com o PSDB também acontece no Rio Grande do Sul, onde a parte da legenda ligada a Bivar discute alianças com o governador do Estado, Eduardo Leite (PSDB). O movimento existe a despeito de o presidente do partido no Estado, deputado federal Nereu Crispim - aliado de Bolsonaro -, ter anunciado anteontem a saída da legenda da base de Leite.

Conversas também são conduzidas na Bahia, onde o PSL constrói pontes com DEM para disputar a prefeitura de Salvador. No Rio, após romper com Wilson Witzel (PSC), o PSL pós-Bolsonaro se reaproximou do governador e articula uma aliança para a disputa pela capital fluminense.

"O PSL pode somar com seu tempo de TV e fechar com o Republicanos e o PSDB, por exemplo. O partido pode compor a vice (nos Estados)", disse o deputado federal Junior Bozzella (SP), um dos mais próximos aliados de Bivar.

A cúpula do PSL ambiciona conquistar entre 300 e 500 prefeituras em 2020. Entre as capitais, estão colocadas as pré-candidaturas de Joice em São Paulo, do deputado estadual Fernando Francischini em Curitiba e do radialista Nilvan Ferreira em João Pessoa.

O movimento de se abrir para alianças é alvo de críticas do grupo leal a Bolsonaro. "Depois da janela partidária, o PSL vai virar um partido fisiológico. O partido não existe sem os Bolsonaro", disse o deputado estadual Douglas Diniz (PSL-SP), que pretende migrar para o novo partido do presidente.

Discurso

Além de adotar uma linha mais pragmática, o "novo" PSL planeja repaginar o discurso para atrair o eleitor de direita que rejeita o estilo beligerante e a agenda militarista de Bolsonaro. O partido deve manter o mote conservador nos costumes e liberal na economia, mas vai abandonar a agenda ideológica representada pelo escritor Olavo de Carvalho.

"O PSL será realmente alinhado com as bandeiras liberais na economia e não um partido nacionalista travestido de liberal. A parte do partido que está saindo é militarista, nacionalista e não liberal de fato", disse Joice, ex-líder do Governo no Congresso. Segundo ela, os dissidentes bolsonaristas não são "PSL raiz".

Para Bozzella, sem os Bolsonaro o PSL pretende deixar de lado o tom radical no discurso e se contrapor aos extremos. "Há um extremismo autoritário no 'olavismo' que é extremamente ideológico. A postura entre as pessoas que cercam esse grupo é beligerante. Usam um tom ríspido, desrespeitoso, agressivo e próximo ao que vemos o Olavo de Carvalho fazer nas redes sociais", disse o deputado.

'Casamento' durou 19 meses

O então deputado federal Jair Bolsonaro se filiou ao PSL em março de 2018 para se candidatar à Presidência. Com a eleição de Bolsonaro, o partido, que até então tinha apenas um deputado, aumentou a bancada para 52 representantes e passou a ser a segunda maior da Câmara.

A relação entre Bolsonaro e o PSL nunca foi amistosa, mas a crise chegou ao ápice em outubro, quando ele afirmou que o presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), estava "queimado pra caramba". A afirmação escancarou a divisão interna entre "bolsonaristas" e "bivaristas", com troca de comando da liderança na Câmara e punição a deputados. Em 19 de novembro, Bolsonaro anunciou sua desfiliação do PSL e a intenção de criar a Aliança pelo Brasil.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade