PUBLICIDADE

Operação da PM no Guarujá deixa 10 mortos após morte de PM

Órgão diz que vai investigar ação da polícia para localizar suspeito de matar soldado da Rota no Guarujá; governo fala em 3 óbitos e nega ab

31 jul 2023 - 08h43
Compartilhar
Exibir comentários
Soldado Patrick Bastos Reis, que pertencia ao 1º Batalhão de Polícia de Choque, não resistiu e morreu
Soldado Patrick Bastos Reis, que pertencia ao 1º Batalhão de Polícia de Choque, não resistiu e morreu
Foto: Divulgação/Polícia Militar

A Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo afirma que dez pessoas foram mortas durante a operação policial no Guarujá para encontrar o suspeito de atirar e matar o policial militar Patrick Bastos Reis, de 30 anos, membro das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), na quinta-feira, 27, no Guarujá, litoral de São Paulo. O suspeito foi preso neste domingo.

A Secretaria de Segurança Pública nega abusos e confirma três mortes "após resistência às abordagens policiais" em três pontos diferentes do Guarujá.

"Temos registros de 8 boletins de ocorrência com 10 mortos. Mas temos uma informação ainda não confirmada de mais 2 mortes. Se confirmadas, serão 12 vítimas de quinta-feira até hoje", afirmou o ouvidor Claudio Aparecido da Silva ao Estadão.

O ouvidor afirma que vai pedir as imagens das câmeras corporais dos policiais envolvidos na operação. "Instauramos procedimento para acompanhar as apurações e vamos pedir as imagens das câmeras corporais. Vamos pedir os laudos necroscópico, balísticos, residuográfico e de local", afirmou.

Diante das denúncias, o órgão realizou neste domingo, 30, uma reunião emergencial depois de receber denúncias sobre violações dos direitos humanos. Participaram da reunião o próprio ouvidor e representantes da entidades relacionadas aos direitos humanos. Uma visita ao Guarujá está sendo avaliada entre terça e quarta-feira para ouvir as famílias e as comunidades sobre os fatos ocorridos.

A Ouvidoria vai investigar a veracidade de áudios e relatos de moradores sobre torturas e abusos de policiais. De acordo com membros da comunidade, a operação "colocou terror" na comunidade.

Moradores do município relataram ainda que policiais prometeram matar ao menos 60 pessoas em comunidades da cidade. Ainda segundo os moradores, o foco da operação eram pessoas com antecedentes criminais e tatuagens.

Um vendedor ambulante teria sido morto com 9 tiros na sexta-feira, 28. A família dele teria encontrado o rapaz com queimaduras de cigarro e um corte no braço.

"A Rota está matando um monte de gente e está acusando todo mundo de ser traficante. Mas todo mundo é trabalhador", diz um dos aúdios a que o Estadão teve acesso. "Existem várias testemunhas, mas todo mundo tem medo de falar", diz.

Morte de soldado desencadeou operação

A morte do soldado militar na quinta-feira desencadeou uma grande operação policial nos últimos dias. Participaram da ação 600 agentes de equipes especializadas das polícias Civil e Militar do litoral de São Paulo.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, foram três homens que morreram em abordagens policiais entre sexta e sábado. "A operação continua em andamento, intensificando a busca pelos suspeitos. Durante as diligências, três homens morreram após reagirem a abordagens policiais em diferentes locais: Rua Albino Marquês Nabeto, no Parque Estuário; Rua Mário Malheiros, na Vila Baiana; e Rua das Figueiras, no bairro Pae Cará".

O órgão afirma que "não constatou abusos policiais e que todas as denúncias serão investigadas".

A Polícia Civil prendeu o suspeito de atirar e matar o policial Reis, de 30 anos, neste domingo. O suspeito se entregou ao lado do Terminal Santo Amaro, na zona sul da cidade. Ele foi levado para Corregedoria da PM e, de lá, para a delegacia responsável pelo caso, no litoral.

A prisão foi anunciada pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) nas redes sociais. "Atenção. O autor do disparo que matou o soldado Reis, no Guarujá, acaba de ser capturado na Zona Sul de São Paulo. Três envolvidos já estão presos, após trabalho de inteligência encabeçado pela @PMESP. A justiça será feita. Nenhum ataque aos nossos policiais ficará impune", escreveu o governador.

A Operação Escudo "tem atingido os objetivos e vai permanecer", de acordo com os policiais.

Estado tem alta de mortes pela polícia no primeiro semestre

As mortes em decorrência de intervenção policial subiram 9,4% nos seis primeiros meses do ano no Estado de São Paulo. Foram 221 registros, ante 202 no mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados na terça-feira, 25, pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). Os casos foram puxados por ocorrências envolvendo agentes em serviço, que saltaram 28,57% no primeiro semestre - de 133 para 171.

A alta ocorre após período de queda por causa, entre outras medidas, da implantação das câmeras nas fardas dos policiais, que fez a letalidade policial em São Paulo chegar, no ano passado, ao menor índice para o primeiro semestre desde 2005. Sob a gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos), os índices voltam a subir em São Paulo.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade