PUBLICIDADE

Uzbequistão informa que 18 morreram e centenas ficaram feridos em protestos

4 jul 2022 - 15h57
Ver comentários
Publicidade

Dezoito pessoas morreram e 243 ficaram feridas durante distúrbios na província autônoma de Karakalpakstan, no Uzbequistão, na semana passada, afirmaram autoridades uzbeques na segunda-feira --no pior episódio de violência no país centro-asiático em 17 anos. 

Forças de segurança detiveram 516 pessoas durante os protestos, que começaram por conta de planos para diminuir a autonomia de Karakalpakstan, mas muitas delas já foram libertadas, afirmou o escritório de Imprensa da Guarda Nacional em um pronunciamento. 

No sábado, o presidente Shavkat Mirziyoyev abandonou os planos para alterar os artigos da Constituição do país que se referem à soberania de Karakalpakstan e seu direito à secessão. Ele também declarou estado de emergência por um mês na província no noroeste do país. 

Informações das autoridades dizem que os manifestantes haviam marchado pela capital da província, Nukus, na sexta-feira passada e tentado tomar prédios oficiais do governo. 

De acordo com a procuradoria-geral do país, 18 pessoas morreram após sofrerem "graves ferimentos" durante os conflitos. A agência de notícias RIA citou a Guarda Nacional do país e disse que o número é composto por 14 civis e quatro policiais. 

Dois políticos de oposição exilados que estavam em contato com pessoas nas manifestações disseram à Reuters que acreditam que o número real de vítimas é muito maior. Não foi possível estabelecer um número de forma independente. 

O Karakalpakstan --situado às margens do Mar de Aral, há décadas um local marcado por um desastre ambiental-- é a terra dos Karakalpaks, um minoria étnica cujo idioma é diferente do uzbeque, embora seja relacionado. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade