PUBLICIDADE

Mundo

Ultraconservador e linha-dura: quem é o presidente do Irã que sofreu acidente de helicóptero

Ebrahim Raisi é apontado como protegido do aiatolá Ali Khamenei e seu possível sucessor para sua posição na teocracia xiita do país

19 mai 2024 - 17h00
(atualizado às 17h06)
Compartilhar
Exibir comentários
Presidente do Irã, Ebrahim Raisi
Presidente do Irã, Ebrahim Raisi
Foto: Presidência do Irã/WANA/Reuters

O presidente do Irã, Ebrahim Raisi, que estava em um helicóptero que sofreu um acidente próximo a Jolfa, na fronteira do país do Azerbaijão, neste domingo, 19, há muito tempo é uma figura proeminente no país. Como presidente, ele supervisiona todo o trabalho do governo e é a segunda pessoa mais poderosa na estrutura política do Irã, depois do líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, do qual é apontado como protegido e possível sucessor para sua posição na teocracia xiita do país. Ele é visto como um político linha-dura e ultraconservador.

Raisi, de 63 anos, é um clérigo religioso linha-dura que foi eleito presidente do Irã em 2021. Em seu mandato como presidente, ele supervisionou uma estratégia para expandir a influência regional de seu país - apoiando militantes por procuração em todo o Oriente Médio, acelerando o programa nuclear do país e levando o país à beira da guerra com Israel.

No entanto, no mesmo período, o Irã passou por seus maiores protestos contra o governo em décadas e por uma grave desaceleração econômica causada por sanções internacionais e alto índice de desemprego.

Duas eleições

Em 2017, ele concorreu sem sucesso à presidência do país contra Hassan Rouhani, um clérigo relativamente moderado que, como presidente, chegou ao acordo nuclear de Teerã em 2015 com as potências mundiais.

Em 2021, Raisi concorreu novamente em uma eleição em que todos os seus adversários potencialmente proeminentes foram impedidos de concorrer pelo sistema de verificação do país. Ele obteve quase 62% dos 28,9 milhões de votos, no menor comparecimento às urnas na história da República Islâmica. Milhões de pessoas ficaram em casa e outras anularam suas cédulas.

Urânio e repressão a opositores

Como presidente, Raisi foi favorável ao enriquecimento de urânio do país até níveis próximos ao de armas, bem como o impedimento de inspetores internacionais como parte de seu confronto com o Ocidente. Na prática, no entanto, o Irã é governado por Khamenei.

Raisi também apoiou os serviços de segurança do país quando reprimiram opositores, inclusive após a morte de Mahsa Amini, em 2022, e os protestos nacionais que se seguiram. A repressão à segurança, que durou um mês, matou mais de 500 pessoas e mais de 22.000 foram detidas.

Em março, um painel investigativo das Nações Unidas concluiu que o Irã era responsável pela "violência física" que levou à morte de Amini após sua prisão por não usar um hijab, ou lenço de cabeça, como ordena a política ultraconservadora do país./COM THE NEW YORK TIMES E AP

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade