PUBLICIDADE

Mundo

Setor petrolífero da Venezuela sofre revés com perda de licença dos EUA

18 abr 2024 - 09h40
Compartilhar
Exibir comentários

A perda pela Venezuela de uma importante licença dos Estados Unidos que lhe permitia exportar petróleo para mercados de todo o mundo e garantir investimentos deve afetar o volume e a qualidade de suas vendas de petróleo, ao mesmo tempo em que provoca uma enxurrada de solicitações de autorizações individuais de acordos com os EUA.

Autoridades norte-americanas haviam alertado que, na ausência de progresso do governo do presidente Nicolás Maduro na implementação de um roteiro eleitoral acordado no ano passado, os EUA não renovariam a licença 44, que desde outubro tem aliviado as sanções ao petróleo em vigor nos últimos cinco anos.

Na quarta-feira, o Tesouro deu às empresas 45 dias para encerrar as transações pendentes, especialmente as vendas de petróleo bruto e combustível, por meio de uma licença mais restritiva.

Também disse que processaria pedidos de autorização específicos para negócios com a Venezuela, um compromisso que as autoridades venezuelanas disseram esperar que os EUA honrem. Muitas empresas esperam há anos que Washington aprove acordos de energia que envolvem a Venezuela.

Mas o Tesouro também explicou que "a realização de novos negócios, incluindo novos investimentos previamente autorizados pela licença 44, não será considerada atividade de relaxamento", lançando dúvidas sobre que tipo de transações serão permitidas.

As autorizações concedidas anteriormente a empresas petrolíferas como Chevron, Repsol e Eni não foram retiradas, o que garante o fluxo de petróleo da Venezuela para Estados Unidos e Europa.

MOVIMENTOS POLÍTICOS

A retirada do elemento mais significativo do alívio das sanções dos EUA marca um grande retrocesso em relação à política do presidente norte-americano, Joe Biden, de reatar o relacionamento com Maduro.

No entanto, ela não chega a ser um retorno à campanha de "pressão máxima" realizada durante o governo do ex-presidente Donald Trump e pode mudar dependendo do progresso em direção à eleição nos próximos meses.

A oposição da Venezuela está negociando a escolha de seu candidato para a eleição presidencial de 28 de julho, depois que tanto a vencedora da primária quanto seu suplente foram impedidos de se registrar.

A licença permitiu que a empresa estatal venezuelana PDVSA expandisse as exportações para os níveis anteriores à pandemia, melhorasse o fluxo de caixa e garantisse a importação de diluentes e combustível para o mercado interno.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade