PUBLICIDADE

Regeneron pedirá aval dos EUA para coquetel preventivo contra Covid-19

12 abr 2021
0comentários
Publicidade

A Regeneron está buscando aprovação dos Estados Unidos para um coquetel de anticorpos monoclonais para Covid-19 como tratamento preventivo, já que o medicamento ajudou a diminuir o risco de infecções sintomáticas em lares onde mais alguém está doente, disse a farmacêutica norte-americana nesta segunda-feira.

Logo da Regeneron em prédio da empresa em Tarrytown, Nova York
17/09/2020 REUTERS/Brendan McDermid
Logo da Regeneron em prédio da empresa em Tarrytown, Nova York 17/09/2020 REUTERS/Brendan McDermid
Foto: Reuters

O REGEN-COV, uma combinação de casirivimab e imdevimab, protegeu contatos de familiares da exposição ao SARS-CoV-2, proporcionando 72% de proteção contra infecções sintomáticas na primeira semana e 93% depois disso, de acordo com dados de teste divulgados pela empresa.

Em um teste separado, a Regeneron também disse que o tratamento reduziu o risco geral de progresso para uma Covid-19 sintomática em 31%, e 76% após o terceiro dia.

A Regeneron alistou a suíça Roche e sua enorme instalação de biotecnologia do sul de San Francisco para produzir cerca de 2 milhões de doses anuais. O coquetel já tem uma aprovação de emergência para pacientes com casos de Covid-19 de brandos a moderados nos EUA, e as empresas estão torcendo para que os testes mais recentes convençam as agências reguladoras a ampliarem sua aplicação.

"Estes dados indicam que o REGEN-COV pode complementar estratégias abrangentes de vacinação, particularmente para aqueles sob risco alto de infecção", disse Myron Cohen, que comanda a iniciativa de anticorpos monoclonais da Rede de Prevenção de Covid do Instituto Nacional de Saúde norte-americano.

"O REGEN-COV poderia ajudar a controlar surtos em cenários de alto risco" nos quais as pessoas não foram vacinadas, disse Cohen.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade