PUBLICIDADE

Mundo

Presidente do Irã será enterrado em cidade sagrada nesta 5ª

23 mai 2024 - 09h09
Compartilhar
Exibir comentários

O falecido presidente do Irã, Ebrahim Raisi, será enterrado na cidade sagrada de Mashhad nesta quinta-feira, quatro dias após ter morrido em um acidente de helicóptero, junto do ministro das Relações Exteriores, Hossein Amirabdollahian, e outras seis pessoas.

O caixão de Raisi foi levado de avião para Mashhad, no nordeste do Irã, depois que uma procissão fúnebre foi realizada para ele na manhã de quinta-feira na cidade de Birjand, no leste do país, onde milhares de pessoas prestaram suas homenagens enquanto seus restos mortais eram conduzidos pelas ruas em uma carreata.

Mais tarde, o avião que transportava o caixão de Raisi chegou a Mashhad, sua cidade natal, onde ele será sepultado no santuário Imam Reza, o local islâmico mais sagrado do Irã e reverenciado pelos muçulmanos xiitas como o local de descanso de Imam Ali al-Reza, do Século 9.

Raisi era amplamente visto como candidato a sucessor do líder supremo Ali Khamenei, que detém o poder supremo no Irã. Mohammad Mokhber, que ocupava o cargo de primeiro vice-presidente, está atuando como presidente interino até a eleição de junho.

Oito pessoas morreram quando o helicóptero caiu em um terreno montanhoso perto da fronteira com o Azerbaijão.

Uma cerimônia foi realizada para homenagear Amirabdollahian no Ministério das Relações Exteriores em Teerã, onde o ministro interino das Relações Exteriores, Ali Bagheri Kani, descreveu-o como um mártir que "garantiu a natureza revolucionária do Ministério das Relações Exteriores".

Amirabdollahian será enterrado ao sul de Teerã no santuário Shah Abdolazim, um mausoléu onde estão enterrados políticos e artistas iranianos notáveis.

O Irã proclamou cinco dias de luto por Raisi, que adotou as políticas duras de seu mentor Khamenei, com o objetivo de consolidar o poder clerical, reprimir os oponentes e adotar uma postura agressiva em questões de política externa, como negociações com os Estados Unidos para reviver o pacto nuclear de 2015.

A eleição presidencial foi marcada para 28 de junho.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade