PUBLICIDADE

Mundo

Presidente da China pede Estado de Direito mais forte no exterior em meio a "riscos externos"

28 nov 2023 - 09h19
Compartilhar
Exibir comentários

O presidente da China, Xi Jinping, tem pedido por um Estado de Direito mais forte relacionado a assuntos estrangeiros, dados os "riscos e desafios externos", à medida que o país se abre para o mundo, informou a mídia estatal nesta terça-feira.

Xi, falando durante uma sessão de estudos do poderoso bureau político do Partido Comunista, disse que, para proteger seus cidadãos e interesses no exterior, é necessário aprofundar a cooperação internacional na aplicação da lei, fortalecer a proteção e a assistência consular e construir um forte Estado de Direito.

As empresas privadas chinesas têm enfrentado desafios legais no exterior nos últimos anos, desde acusações dos Estados Unidos sobre produtos falsificados e pirateados vendidos em plataformas online de propriedade da Tencent Holdings e do Alibaba Group, até medidas para banir o aplicativo TikTok, de propriedade da empresa chinesa de tecnologia ByteDance, no Nepal.

Xi disse no discurso de segunda-feira que é necessário aumentar a conscientização sobre a conformidade e orientar o público e as empresas a cumprir as leis, os regulamentos e os costumes no processo de "globalização".

Para facilitar os intercâmbios econômicos e comerciais, as autoridades dizem que os escritórios de advocacia chineses criaram 180 filiais no exterior em 35 países e regiões, um aumento de quase 50% desde 2018.

A China precisa desenvolver ativamente serviços jurídicos relacionados ao exterior e cultivar instituições de arbitragem e escritórios de advocacia de classe mundial, disse Xi.

Mas as autoridades de alguns países ocidentais, incluindo EUA, Canadá, Reino Unido e Holanda, têm acusado a China de criar ilegalmente "centros de serviços policiais no exterior" para monitorar seus cidadãos que vivem no exterior, acusações que Pequim nega veementemente.

A China afirma que esses centros têm o objetivo de ajudar seus cidadãos a renovar carteiras de habilitação vencidas e são administrados por voluntários chineses, e não por agentes da lei.

O apelo para proteger melhor os cidadãos no exterior coincide com os recentes surtos de conflito em países como a Ucrânia e o Sudão, que levaram a China a organizar retiradas de seus cidadãos.

A China organizou quase 20 retiradas e lidou com mais de 500.000 casos de proteção consular envolvendo milhões de pessoas na última década, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade