PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Mundo

Por que Jordânia ajudou Israel contra ataque do Irã e qual é a posição do país nas tensões do Oriente Médio?

Estes aliados de Israel está seu vizinho no Oriente Médio , a Jordânia, um país de maioria muçulmana. À medida que os relatos de que a Jordânia ajudou Israel a evitar um ataque iraniano se tornaram públicos, alguns usuários das redes sociais criticaram a liderança da Jordânia, um país controlado por uma monarquia.

19 abr 2024 - 07h27
(atualizado às 07h33)
Compartilhar
Exibir comentários
O ataque iraniano a Israel foi rechaçado pelo defesa antiaérea
O ataque iraniano a Israel foi rechaçado pelo defesa antiaérea
Foto: Reuters / BBC News Brasil

A noite entre 14 e 15 de abril se revelou uma longa noite para a população do Oriente Médio, quando o Irã disparou uma série de foguetes e drones contra Israel. As pessoas não tiveram escolha senão continuar olhando para o céu.

O Irã havia prometido retaliação por conta de um ataque ao seu consulado na capital da Síria, Damasco, quando 13 iranianos foram mortos no dia 1° de abril. Israel não confirmou ter realizado o ataque ao consulado, mas acredita-se que o país esteja por trás do ataque.

O ataque do Irã foi retaliado por Israel na manhã da sexta-feira, 19 de abril. Autoridades americanas confirmaram que pelo menos um míssil disparado por Israel atingiu o território iraniano na região de Isfahan no centro-oeste do país.

Nos últimos seis meses, a região árabe tem sido o centro das atenções mundiais devido à guerra Israel-Gaza. Mas estes recentes ataques mútuos também foram observados com muito cuidado em todo o mundo.

Tensão mundial e aliados

Israel conseguiu se defender do ataque iraniano com a ajuda dos seus aliados. A declaração de Israel afirma que alguns dos drones e mísseis foram repelidos pelos seus avançados sistemas de defesa antiaérea, enquanto a maioria foi abatida com a ajuda de outros aliados, incluindo os Estados Unidos, antes de entrarem no território de Israel.

Estes aliados de Israel incluem os EUA, a Grã-Bretanha, a França e o seu único aliado vizinho no Oriente Médio, a Jordânia. À medida que os relatos de que a Jordânia ajudou Israel a evitar um ataque iraniano se tornaram públicos, alguns usuários das redes sociais, em vários países muçulmanos, não só expressaram surpresa, mas também criticaram a liderança da Jordânia.

A Jordânia era um das principais assuntos no X (antigo Twitter) e um dos senadores paquistaneses, Mushtaq Ahmed Khan do Jamaat-e-Islami, postou uma foto do rei jordaniano Abdullah II. Ele foi xingado e criticado duramente.

O post no X atraiu a atenção de mais de 2,6 milhões de pessoas e mostra que os paquistaneses estavam muito interessados nos acontecimentos do Oriente Médio.

Falando a uma plataforma de mídia digital independente Azad, o senador Mushtaq disse que "o rei da Jordânia nunca impediu os drones, jatos e mísseis israelenses, mas impediu os drones e mísseis iranianos que iam em direção a Israel. Eu me senti mal com isso."

mapa
mapa
Foto: BBC News Brasil

A liderança jordaniana também está sob fortes críticas internas: milhares de pessoas realizaram protestos em frente à embaixada dos Estados Unidos contra Israel nas últimas semanas.

Pode-se notar aqui que os ancestrais de uma em cada cinco pessoas na Jordânia são da Palestina. A própria rainha Rania, esposa do Rei Abdullah 2º, também tem origens familiares na Palestina e tem levantado recentemente a sua voz sobre a grave crise humanitária em Gaza.

Como a Jordânia respondeu às críticas?

Após críticas públicas, um comunicado emitido pelo governo da Jordânia afirmou que esta medida foi realmente tomada para proteger a população local do país.

"Certos objetos (mísseis e drones) entraram em nosso espaço aéreo e os interceptamos porque representavam uma ameaça ao nosso povo e áreas povoadas", disse o governo, em comunicado.

"Os destroços desses objetos caíram em vários lugares da Jordânia, mas ninguém ficou ferido."

O governo acrescenta que "o nosso exército defenderá a Jordânia no futuro para repelir qualquer ataque de qualquer país e proteger a nação, os seus cidadãos, o seu espaço aéreo e território".

Segundo a agência de notícias oficial do Irã, os Guardas Revolucionários alertaram que estão a monitorizar as ações da Jordânia durante o ataque contra o país sionista (Israel) e se a Jordânia continuar a intervir. Ele pode ser o próximo alvo.

No entanto, o Ministro do Interior do Irã, Nasser Kanani, disse durante uma conferência de imprensa que: "Não estou em posição de discutir o papel da Jordânia na defesa deste ataque, esta é uma questão militar".

"Temos relações amistosas com a Jordânia e realizamos reuniões regulares com autoridades dos dois países nos últimos meses."

Recentemente, um ataque de drone a uma base militar americana na Jordânia, perpetrado pelo grupo de milícias iraquianas Maqamouta Islamiya, apoiado pelo Irã, resultou na morte de três soldados americanos - outros 34 ficaram feridos.

Historicamente, a Jordânia tem sido considerada um aliado próximo dos EUA, mas as suas relações com Israel melhoraram na década de 1990, quando foi alcançado um acordo mediado pelos EUA entre os dois países.

Onde está localizada a Jordânia e qual é a sua posição histórica no mundo árabe?

Geograficamente, a Jordânia está localizada em um local muito sensível no Oriente Médio. O país faz fronteira com a Arábia Saudita, o Iraque e a Síria, bem como com Israel e a Cisjordânia.

Segundo o Banco Mundial, a população da Jordânia é superior a 1 milhão de pessoas - e mais de 90% da população são árabes. O árabe é a sua língua oficial e um grande número de pessoas migrou da Palestina e da Síria para a Jordânia.

O país é governado por uma monarquia. O rei Abdullah II é o seu atual governante. Esta família Hachemita (Al-Hashimon) governa o país desde que a Jordânia conquistou a independência formal da Grã-Bretanha, em 1946.

No site oficial do Rei Abdullah II, a história da família Hashemi e sua genealogia foram descritas em detalhes, segundo a qual a genealogia do Rei da Jordânia remonta ao Profeta do Islã e seu bisavô Hashem.

Antes do século 20, esta área foi governada pelo Império Otomano durante 400 anos.

Em 1917, as forças anglo-árabes assumiram o controle da região, que incluía a Palestina, e em 1921, a Palestina foi separada da região para formar a Transjordânia e Abdullah, que mais tarde se tornou o primeiro rei da Jordânia, foi instruído a governar a área.

A Grã-Bretanha tentou várias vezes fazer com que o emir de Makkah Sharif Hussain Bin Ali assinasse a controversa Declaração de Belfour e se ofereceu para pagar uma enorme quantia em dinheiro em troca, mas ele não concordou. Depois disso, o Emir fez uma aliança com as potências aliadas.

A Declaração Balfour foi na verdade um documento controverso criado pela Grã-Bretanha para permitir que a Palestina fosse colonizada pelos judeus.

A Jordânia é governada pelo rei Abdullah II
A Jordânia é governada pelo rei Abdullah II
Foto: Reuters / BBC News Brasil

Até 1946, esta região era governada pelo governo britânico, mas naquele ano tornou-se um estado independente e foi chamada de "Al-Mulkat al-Jordaniya al-Hashimiyyah".

Entre 1948 e 1973, a Jordânia travou quatro guerras com Israel, incluindo a Primeira Guerra Árabe-Israelense em 1948, a Guerra de 1967, a Guerra de Atrito de 1967-70 e a Guerra do Yom Kippur em 1973.

No entanto, durante a administração do presidente americano Bill Clinton, foi negociado, e assinado, um acordo de paz entre a Jordânia e Israel em 1994, baixando o tom das tensões.

De acordo com o site do governo, a bandeira da Jordânia é inspirada na bandeira da revolta árabe contra o Império Otomano.

Possui três listras em cores diferentes (preto, branco e verde) e um triângulo vermelho, e tem também uma estrela branca de sete pontas.

Cada ponta desta estrela representa um dos sete versos da Surah al-Fatihah, o primeiro capítulo do Livro Santo dos Muçulmanos. Esta estrela é o que distingue essa bandeira da bandeira da Palestina.

O triângulo vermelho representa a própria Grande Revolta Árabe de 1916, e os três retângulos (listras) representam os três califas que governaram a Jordânia na história.

O retângulo preto representa o califado abássida, o branco representa o califado de umyíada de Banu e o verde representa o califado fatímida.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade