PUBLICIDADE

Pfizer consegue atualizar vacina contra Ômicron até março

Estudo interno diz que 3 doses conseguem neutralizar variante

8 dez 2021 11h33
| atualizado às 12h28
ver comentários
Publicidade
Pfizer consegue atualizar vacina contra Ômicron até março
Pfizer consegue atualizar vacina contra Ômicron até março
Foto: EPA / Ansa - Brasil

A farmacêutica Pfizer e o laboratório BioNTech informaram nesta quarta-feira (8) que conseguem atualizar a sua vacina contra a covid-19 até março de 2022 para que ela também seja mais efetiva contra a variante Ômicron do Sars-CoV-2.

"As empresas continuam avançando no desenvolvimento de uma vacina específica para a variante Ômicron e esperam tê-la disponível até março, caso uma adaptação seja necessária para aumentar ainda mais o nível e a duração da proteção, sem mudanças esperadas para a produção das quatro bilhões de doses para 2022", diz o comunicado conjunto.

O documento ainda publica resultados de um estudo clínico da Comirnaty feito para verificar a efetividade do imunizante contra a nova variante e apontou que há uma perda na proteção contra a Ômicron após duas doses.

"Uma proteção mais robusta é atingida com a terceira dose conforme estudos indicaram", diz a nota ressaltando que o reforço aumentou os anticorpos em 25 vezes.

"Embora duas doses da vacina ainda possam oferecer proteção contra forma grave causada pela cepa Ômicron, a partir desses dados preliminares, está claro que a proteção é melhorada com uma terceira dose. Garantir que quanto mais pessoas sejam totalmente vacinadas com as duas doses primárias e um reforço permanece como o melhor caminho de ação para prevenir a disseminação de covid-19", disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado.

A Ômicron foi notificada à Organização Mundial da Saúde (OMS) pela África do Sul em novembro, mas cada vez mais evidências apontam que ela já estava em circulação por países da Europa e nos Estados Unidos antes da detecção pelos sul-africanos.

A princípio, a variante aparenta ser mais transmissível que a Delta, mas não mais letal.
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade