PUBLICIDADE

Papa reza por Cuba e diz que está próximo 'ao povo que sofre'

Angelus foi 1ª celebração do Pontífice desde alta hospitalar

18 jul 2021 10h22
| atualizado às 10h43
ver comentários
Publicidade

Na primeira celebração desde que recebeu alta hospitalar, o papa Francisco fez o tradicional Angelus neste domingo (18) e rezou tanto pela população cubana como por todos aqueles afetados pelas chuvas na Europa.

Angelus deste domingo foi a primeira celebração do Papa desde a alta hospitalar
Angelus deste domingo foi a primeira celebração do Papa desde a alta hospitalar
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Durante sua fala, o Pontífice afirmou que "está próximo ao querido povo cubano, em particular as famílias, que nesses momentos difíceis tanto sofrem". "Rezo ao Senhor que os ajude a construir a paz, o diálogo e a solidariedade em uma sociedade sempre mais justa e fraterna", acrescentou.

O líder católico teve um papel fundamental de aproximação entre as lideranças cubanas e norte-americanas em 2016, quando foram dados alguns passos na direção do fim do embargo econômico dos Estados Unidos contra a ilha. No entanto, desde então, as conversas pararam e a situação se agravou.

Nos últimos dias, milhares de cubanos têm ido às ruas protestar por conta da grave crise econômica que atinge o país e que foi agravada pela pandemia de Covid-19.

Ainda durante o Angelus, Jorge Mario Bergoglio voltou a lembrar das vítimas e das pessoas que estão sofrendo pela forte onda de mau tempo que atingiu a Alemanha, Bélgica e os Países Baixos nos últimos dias.

"Exprimo minha proximidade às populações atingidas pela catástrofe e pelas enchentes. O Senhor acolha os defuntos e conforte os familiares, dê a força para todos para que possam socorrer quem sofreu graves danos", disse ainda.

Francisco aproveitou o momento para pedir que as pessoas "deixem os celulares de lado" durante as suas férias porque esse período "não é só um descanso físico, mas também um descanso para o coração".

"Não basta apenas esticar as costas, mas sim descansar de verdade. Para fazer isso, é preciso retornar ao coração das coisas: parar, ficar em silêncio, rezar e não passar da corrida do trabalho para a corrida das férias. [...] Aprendamos a sossegar, a deixar os celulares de lado, a contemplar a natureza e a regenerar-se no diálogo com Deus", disse aos fiéis. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade