PUBLICIDADE

Papa nomeia novo bispo de Hong Kong em meio a temores sobre liberdades locais

17 mai 2021 11h53
ver comentários
Publicidade

O papa Francisco nomeou um novo bispo para Hong Kong nesta segunda-feira, uma indicação adiada há tempos que chega em meio a atritos entre a China e o Vaticano e ante temores ocidentais crescentes em relação aos direitos humanos no polo financeiro global.

Papa Francisco, no Vaticano
28/04/2021
Mídia do Vaticano/Divullgação via REUTERS
Papa Francisco, no Vaticano 28/04/2021 Mídia do Vaticano/Divullgação via REUTERS
Foto: Reuters

O bispo Stephen Chow, chefe da ordem jesuíta de Hong Kong de 61 anos, substituirá o cardeal John Tong, que ocupava o cargo em caráter interino desde a morte do bispo anterior, Michael Yeung, em janeiro de 2019.

Clérigos veteranos de Hong Kong a par da situação disseram que o novo bispo precisa amenizar as tensões em um rebanho dividido entre aqueles que querem que a diocese faça mais para defender as liberdades locais e outros que querem uma abordagem menos combativa, incluindo algumas figuras poderosas do establishment.

Há décadas a ex-colônia britânica é um posto avançado católico forte no limite da China continental, comandada por um Partido Comunista oficialmente ateu.

Muitas das figuras graduadas do governo e do empresariado de Hong Kong são católicas, inclusive a líder da cidade, Carrie Lam, assim como ativistas da oposição, como o magnata de mídia Jimmy Lai, detido recentemente sob uma nova lei de segurança nacional adotada no momento em que a China reprime a dissidência.

A escolha de Chow vem na esteira de duas tentativas fracassadas de preencher a vaga. Candidatos anteriores em potencial foram considerados ou próximos demais de Pequim ou possivelmente inaceitáveis para esta devido à sua proeminência nos meses de protestos pró-democracia que abalaram a cidade durante 2019.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade