0

Human Rights Watch acusa Israel de crimes de guerra em Gaza

ONG, com sede em Nova York, publicou um relatório nesta quinta-feira descrito por ela mesma como a primeira documentação aprofundada dos incidentes

11 set 2014
12h37
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Human Rights Watch acusou Israel de cometer crimes de guerra ao atacar três escolas das Nações Unidas na Faixa de Gaza durante os combates de julho e agosto, matando civis palestinos que buscaram abrigo lá.

Entre os dias 8 de julho e 27 de agosto, mais de 2100 palestinos morreram na Faixa de Gaza
Entre os dias 8 de julho e 27 de agosto, mais de 2100 palestinos morreram na Faixa de Gaza
Foto: BBC News Brasil

A ONG, com sede em Nova York, publicou um relatório nesta quinta-feira descrito por ela mesma como a primeira documentação aprofundada dos incidentes, que aconteceram durante um conflito de 50 dias entre Israel e militantes palestinos, encerrado COM um cessar-fogo em 26 de agosto.

“Três ataques israelenses que danificaram escolas de Gaza que abrigavam pessoas desabrigadas causaram diversas baixas civis em violação às leis de guerra”, disse A HRW no relatório, baseado em entrevistas com testemunhas e pesquisa de campo no enclave dominado pelo Hamas.

Faixa de Gaza: entenda o conflito Faixa de Gaza: entenda o conflito
Conheça um pouco mais sobre a região, que tem um quarto do tamanho do município de São Paulo, mas uma enorme importância para a história do Oriente Médio

O grupo também disse estar cético sobre a credibilidade de cinco investigações criminais anunciadas pelos militares de Israel na quarta-feira sobre suas operações de guerra em Gaza.

A HRW disse que 45 pessoas, incluindo 17 crianças, foram mortas dentro ou perto das “bem-sinalizadas escolas” nos ataques de 24 de julho no norte de Gaza, em 30 de julho no campo de refugiados de Jabalya e em 3 de agosto em Rafah, sul do enclave.

Veja também:

Coronavírus impede pais de buscarem bebês de barriga de aluguel na Ucrânia
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade