0

Admirador de Obama, Cristiano Ronaldo admite: "queria conhecê-lo"

6 nov 2012
17h19
atualizado às 17h31

O presidente americano e candidato à reeleição, Barack Obama, ganhou mais uma celebridade internacional em sua lista de apoiadores na disputa pela presidência desta terça-feira. O português Cristiano Ronaldo, atacante do Real Madrid e um dos maiores jogadores de futebol do planeta ao lado de Lionel Messi, do rival Barcelona, admitiu a sua admiração pelo presidente americano. "Gosto do jeito que ele fala com as pessoas, a sua comunicação, é sempre firme no que diz. Eu gostaria de conhecê-lo, porque ele é uma pessoa honesta", afirmou. As informações são da CNN.

O português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, fez elogios ao presidente americano e disse que votaria nele
O português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, fez elogios ao presidente americano e disse que votaria nele
Foto: Getty Images

Especiais
Entenda o funcionamento do processo eleitoral americano
Acompanhe as pesquisas nos Swing States, os Estados decisivos
Nesta eleição, o assunto é a economia; entenda


Especial traz reportagens dos bastiões democratas e republicanos

Infográfico mostra o poder do voto latino e o custo da campanha

Veja como foram os debates presidenciais

Perfis dos candidatos
Barack Obama: do sonho do idealismo ao esforço do realismo
Romney e os republicanos: entre o favoritismo e o ceticismo

Cristiano Ronaldo se junta ao inglês Wayne Rooney, do Manchester United, que também simpatiza com Obama e disse que votaria nele se participasse das eleições americanas. Na semana passada, Rooney revelou o seu interesse em política após o terceiro e último debate televisivo entre o democrata e o adversário republicano, Mitt Romney. "Assistidos todos os debates presidenciais. Se eu tivesse que votar, votaria Obama", escreveu ele em sua conta no Twitter, que tem mais de cinco milhões de seguidores.

As eleições presidenciais americanas contaram nos últimos meses com o apoio massivo de celebridades a Barack Obama e Mitt Romney. A presença de pessoas famosas na campanha teve início com o pedido para que as pessoas apenas votassem, já que o sufrágio é facultativo no país. Aproveitando o alto alcance das celebridades nas redes sociais, diversos movimentos políticos buscaram o apoio de artistas.

O ator e diretor Clint Eastwood ficou marcado pela aparição na convenção do Partido Republicano, quando fez um discurso direcionado a uma cadeira, que simbolizava o presidente Obama, com críticas à sua gestão. Além de Eastwood, Romney ganhou apoio da atriz Lindsay Lohan, do ator Chuck Norris, comediante Dennis Miller, do músico Meat Loaf e do empresário bilionário Donald Trump.

Pelo lado de Obama, estão os atores George Clooney e Tom Hanks, ambos vencedores do Oscar, e que participaram ativamente da campanha do atual presidente. Entre os músicos, os nomes mais fortes foram Katy Perry, que usou diversos vestidos que faziam alusão ao voto no democrata em shows nos EUA, e os roqueiros Bruce Springsteen e Eddie Vedder (do Pearl Jam), que fizeram apresentações para angariar fundos à campanha. Também apoiaram os jogadores de basquete Carmelo Anthony e Chris Bosh, e o lendário ex-jogador Michael Jordan.

Alguns nomes famosos como Jack Johnson, Pearl Jam, The Black Keys, Ne-Yo e 50 Cent participaram do "HeadCount for National Voter Registration Day", um levantamento dos eleitores nos EUA. Já Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire, Ellen DeGeneres, Zac Efron e Selena Gomez promoveram vídeos para a campanha "Vote 4 Stuff", que pretendia incentivar os mais jovens a discutir política. Outras celebridades americanas, como Usher, Lady Gaga, Will Smith, Will.I.Am, Larry David e Jessica Alba firmaram parceria com o "OurTime.org".

Americanos vão às urnas
Os americanos escolhem nesta terça-feira seu presidente. O atual mandatário, o democrata Barack Obama, disputa a preferência dos eleitores com o republicano Mitt Romney. Diferente do Brasil, as eleições americanas são indiretas. O candidato mais votado em cada Estado leva todos os seus delegados. No fim, o candidato com maior número de delegados - e não de votos - sai vencedor. O Terra, maior empresa latino-americana de mídia digital, faz a cobertura completa das eleições presidenciais nos EUA e acompanha a apuração de votos em tempo real.

Fonte: Terra
publicidade