2 eventos ao vivo

OMS pede para governos não ignorarem dados sobre Covid-19

Alerta foi feito por Michael Ryan durante coletiva em Genebra

3 jul 2020
14h59
atualizado às 16h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta sexta-feira (3) aos governos que "acordem" e "participem da luta" contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2), ressaltando a importância de não ignorar as informações sobre a doença.

Alerta foi feito por Michael Ryan durante coletiva em Genebra
Alerta foi feito por Michael Ryan durante coletiva em Genebra
Foto: AFP / Ansa - Brasil

"É realmente hora de os países olharem para os números. Por favor, não ignorem o que os dados dizem", disse Michael Ryan, diretor de emergências da OMS, em entrevista coletiva em Genebra, acrescentando que "as pessoas precisam acordar".

O representante da entidade ressaltou a importância de seguir a ciência e a realidade, principalmente porque "muitos países estão ignorando". "Os dados não estão mentindo", alertou.

Ao ser questionado sobre os países que já estão retomando as atividades econômicas, Ryan deixou claro que os riscos são elevados. "Se países se abrem sem a capacidade de lidar no setor de saúde, terminarão com o pior cenário. As mortes vão aumentar".

Durante a coletiva, o diretor da OMS também afirmou que o governo brasileiro precisará intensificar as medidas contra a Covid-19 se quiser controlar a pandemia. Ele disse ainda que existem alguns indícios de estabilização do crescimento da curva de pessoas infectadas. No entanto, não há garantias de que os números começarão a cair.

"Os números se estabilizaram nos últimos dias. A esperança é de que não recomece a aumentar", insistiu.

De acordo com a OMS, apesar da estabilização, não há evidência de que haverá uma redução nos números e muito menos o fim da pandemia.

Por fim, Ryan afirmou que "nunca é tarde demais para ter controle" da doença, evidenciando a necessidade de os governos assumirem essa responsabilidade.

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade