PUBLICIDADE

Merkel pede que alemães fiquem em casa até depois da Páscoa para derrotar vírus

1 abr 2020 16h15
ver comentários
Publicidade

A Alemanha prorrogará as medidas de distanciamento social adotadas no mês passado para frear a disseminação do coronavírus até 19 de abril, e o governo reavaliará a situação depois do feriado da Páscoa, disse a chanceler Angela Merkel nesta quarta-feira.

Chanceler da Alemanha, Angela Merkel
22/03/2020
   Michel Kappeler/Pool via REUTERS/File Photo
Chanceler da Alemanha, Angela Merkel 22/03/2020 Michel Kappeler/Pool via REUTERS/File Photo
Foto: Reuters

O país fechou escolas, lojas, restaurantes, parques de diversão e instalações esportivas, e muitas empresas interromperam a produção para ajudar a combater a doença, mas os números de casos novos e mortes de coronavírus ainda estão subindo.

"Estamos vendo algum efeito pequeno (das medidas), mas estamos longe de onde precisamos estar", disse Merkel a repórteres após uma teleconferência com os premiês dos 16 Estados alemães.

"Sabemos que uma pandemia não leva em conta os feriados", acrescentou, pedindo às pessoas que não viajem durante a Páscoa.

A Alemanha, país que tem a maior economia da Europa, pode encolher até 5,4% neste ano, alertaram os assessores econômicos do governo, e apesar de um pacote de estímulo de mais de 750 bilhões de euros para amenizar o golpe, as empresas estão ansiosas para voltar ao trabalho assim que for seguro.

Ainda nesta quarta-feira, Merkel debateu o impacto da crise com representantes da indústria automotiva, incluindo chefes de sindicatos, disseram o governo e fontes do setor à Reuters.

O jornal Stuttgarter Zeitung noticiou que a associação automotiva VDA e sindicatos delinearam quais medidas políticas acham serem necessárias para reativar a economia após a crise.

O ministro das Finanças, Olaf Scholz, anunciou mais cedo nesta quarta-feira um apoio de 2 bilhões de euros a startups.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade