PUBLICIDADE

Furacão Maria atinge categoria 5 e devasta Dominica

19 set 2017 07h22
| atualizado às 08h09
ver comentários
Publicidade
Imagem de satélite do furacão Maria ao leste das Ilhas Leeward 18/09/2017     Cortesia da NASA/Projeto NOAA GOES/Divulgação via REUTERS
Imagem de satélite do furacão Maria ao leste das Ilhas Leeward 18/09/2017 Cortesia da NASA/Projeto NOAA GOES/Divulgação via REUTERS
Foto: Reuters

O furacão Maria atingiu a categoria 5 nesta terça-feira (19), a maior na escala de fenômenos naturais.

O furacão chega após poucos dias do Irma, que devastou todo o Caribe. O Maria já passou pela Ilha de Martinica, que contém 73 mil habitantes, e está hoje em Dominica. De acordo com o premier Roosevelt Skerrit, Dominica perdeu tudo e a "devastação é generalizada". O próprio líder político precisou ser resgatado depois que sua casa sofreu graves danos com a perda do telhado. No Facebook, Skerrit confirmou que há mortos e feridos na ilha, mas sem citar um balanço oficial.

Agora, o furacão se dirige rumo às Ilhas Virgens e Porto Rico, em uma velocidade de 260 km/h, e deve tocar solo na noite de hoje.

Ao longo da semana, o Maria deve passar por Guadalupe, Antigua e Barbuda, República Dominicana e pela região das Bahamas. O presidente norte-americano, Donald Trump, informou que estava prevista uma visita sua aos territórios após a passagem do furacão Irma, mas, com o Maria, a viagem será adiada. Quase todos os voos para as ilhas e países afetados estão operando com redução ou foram cancelados. As autoridades orderam a evacuação em massa e alertaram a população para se preparar com estoque de alimentos e água.

Especialistas acreditam que o furacão Maria tenha um potencial tão devastador quanto o Irma, considerado o pior fenômeno a atingir o Caribe na última década.

Veja também

Furacão Irma atinge a Flórida e provoca grandes inundações:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade