0

Bebida falsificada mata mais de 100 na Índia

A polícia local prendeu quatro pessoas ligadas às mortes

11 fev 2019
09h59
atualizado às 11h23
  • separator
  • 0
  • comentários

Mais de 100 pessoas morreram em dois Estados da Índia depois de consumirem bebida alcoólica falsificada, informaram a polícia e a mídia nesta segunda-feira, o pior caso do tipo em anos.

Muitos dos que morreram em Haridwar, no Estado de Uttarkhand, e em dois distritos do vizinho Uttar Pradesh se queixaram de dores abdominais e problemas respiratórios, disseram familiares e autoridades.

A polícia prendeu quatro pessoas ligadas às mortes, disse o superintendente-sênior da polícia de Haridwar, Janmaijai Prabhakar, à Reuters.

Homens são atendidos após consumirem bebida falsificada em Saharanpur, no norte da Índia
Homens são atendidos após consumirem bebida falsificada em Saharanpur, no norte da Índia
Foto: via Reuters

"O total de fatalidades em Haridwar continua em 36, e neste momento cerca de 18 pessoas estão em tratamento", disse.

Não foi possível obter números atualizados das autoridades de Uttar Pradesh nesta segunda-feira, mas ao menos 69 pessoas morreram no Estado, segundo os jornais Indian Express e Times of India.  

As mortes causadas por bebida alcoólica produzida ilegalmente, conhecida como "hooch" ou "bebida do campo", são recorrentes no país, onde muitos não podem pagar por bebidas industrializadas.

Mas se acredita que o saldo de mortes atual é o surto mais fatal desde um caso semelhante ocorrido em Bengala Ocidental em 2011 que deixou 172 mortos.

"Ele se queixou de uma dor abdominal intensa, então o levei para tomar uma injeção", contou a esposa de uma vítima, Hira Lal, à ANI, uma parceira da Reuters. "Ele melhorou em seguida e dormiu depois de voltar para casa. (Mas) a dor voltou, então o levamos de novo ao hospital e eles o internaram".

Veja também

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade