PUBLICIDADE

Jornalista é baleado em Amsterdã e está em estado grave

De Vries é especializado em investigação sobre crime organizado

7 jul 2021 09h38
| atualizado às 09h57
ver comentários
Publicidade

Um dos mais conhecidos jornalistas investigativos dos Países Baixos, Peter R. de Vries, 64 anos, foi gravemente ferido durante um ataque em uma rua de Amsterdã na noite desta terça-feira (6), informou a polícia local.

Peter R. de Vries está em estado grave em hospital
Peter R. de Vries está em estado grave em hospital
Foto: EPA / Ansa

"Peter R. de Vries foi atingido por um tiro na Lange Leidsedwarsstraat esta noite. Foi levado ao hospital com ferimentos graves", informou a polícia de Amsterdã em nota oficial.

Além de fazer matérias investigativas sobre o crime organizado, o repórter também é conhecido por ser comentarista sobre questões de segurança pública e uma espécie de "porta-voz" de vítimas ou testemunhas-chave de crimes.

Apesar da criminalidade não ser um problema grave e disseminado nos Países Baixos, De Vries investigava, especialmente, os grupos criminosos que faziam sequestros na nação ao longo dos anos.

A prefeita da capital, Femke Halsema, afirmou que o jornalista "está lutando por sua vida" e que três pessoas foram presas suspeitas de participarem do ataque. No entanto, a líder destacou que não se sabe quais foram as motivações do crime até o momento.

"Ele é um herói nacional para todos nós", acrescentou Halsema.

O premiê do país, Mark Rutte, definiu a situação como "chocante e inconcebível" e cobrou investigações aprofundadas.

Nesta quarta-feira (7), líderes europeus também se manifestaram sobre o crime.

"Podemos não estar de acordo com muita coisa que vemos na mídia, mas estamos de acordo sobre o fato de que os jornalistas que investigam sobre potenciais abusos de poder não são uma ameaça, mas um recurso para as nossas democracias e as nossas sociedades", afirmou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, destacou que "esse é um crime contra o jornalismo e um ataque aos nossos valores de democracia e Estado de direito". "Continuaremos a defender sem descanso a liberdade de imprensa", acrescentou. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade