PUBLICIDADE

Itália condena homem a 26 anos de cadeia por matar brasileira

Bruna Bovino foi assassinada em 12 de dezembro de 2013

20 set 2021 13h17
| atualizado às 13h26
ver comentários
Publicidade

Um tribunal de Bari, no sul da Itália, condenou Antonio Colamonico a 26 anos e seis meses de prisão pelo assassinato da esteticista ítalo-brasileira Bruna Bovino, morta em 12 de dezembro de 2013.

Bruna Bovino foi encontrada semicarbonizada em dezembro de 2013
Bruna Bovino foi encontrada semicarbonizada em dezembro de 2013
Foto: Reprodução / Ansa - Brasil

A sentença emitida nesta segunda-feira (20) representa mais uma reviravolta em um caso que se arrasta há quase oito anos. Colamonico havia sido condenado em primeiro grau a 25 anos de cadeia, em julho de 2015, e depois absolvido pelo Tribunal de Apelação de Bari, em novembro de 2018.

No entanto, no início do ano passado, a Corte de Cassação, instância máxima da Justiça italiana, anulou a sentença de absolvição, alegando que os juízes haviam ignorado "indícios fundamentais", e determinou a realização de um novo processo em segundo grau.

Entre os elementos apontados pela Cassação estão o horário da morte, a presença de traços de DNA atribuídos a Colamonico no corpo da vítima e queimaduras nas mãos do homem.

"A suposta hora da morte e o tempo de propagação do incêndio foram interpretados de modo forçado com o único objetivo de validar a insustentável premissa de que Bovino estivesse viva às 18h20 de 12 de dezembro de 2013, [...] sendo que o réu tinha um sólido álibi para tal horário", disse a Corte de Cassação na ocasião.

Depois da anulação da sentença de absolvição, um novo colegiado do Tribunal de Apelação de Bari avaliou o caso e considerou Colamonico culpado de homicídio e incêndio dolosos, aplicando uma pena de 26 anos e seis meses de prisão.

"Minha filha não está mais aqui, não vai voltar, e nenhuma sentença vai me devolvê-la, mas hoje, após oito anos, finalmente foi feita justiça", disse Lilian Baldo, mãe de Bovino, após o julgamento.

O réu ainda pode recorrer à Corte de Cassação, mas Baldo acrescentou que está confiante que o tribunal de última instância vai "confirmar a condenação". "Enquanto eu estiver viva vou lutar para que minha filha tenha justiça", afirmou.

O caso

O corpo de Bovino, que na época tinha 29 anos, foi encontrado semicarbonizado e rodeado por velas no centro estético que ela administrava na cidade de Mola di Bari, no sul da Itália.

A perícia, no entanto, constatou que sua morte foi provocada por cerca de 20 golpes de tesoura e estrangulamento. A acusação diz que Colamonico matou a brasileira, com quem tinha um caso extraconjugal, durante uma briga iniciada após ele tentar romper o relacionamento.

A defesa do italiano havia conseguido a absolvição ao apresentar um vídeo de uma câmera de segurança que mostra um casal tomando café às 18h15 do dia do crime, em um bar vizinho ao centro de estética.

A tese era de que naquele horário, quando Colamonico estava em outra cidade, o incêndio no local de trabalho de Bovino ainda não havia começado, mas os juízes chegaram à conclusão de que a brasileira já estava morta naquele momento e que as chamas já tinham sido deflagradas.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade