PUBLICIDADE

Hospital da Itália consegue isolar vírus de varíola de macacos

Novo teste do que seria o 13º caso no país deu negativo

27 mai 2022 16h35
| atualizado às 16h50
ver comentários
Publicidade

Pesquisadores do Hospital Sacco, em Milão, conseguiram isolar o vírus responsável pela epidemia de varíola de macacos em pelo menos 19 países, incluindo Itália, nesta sexta-feira (27).

Vírus foi isolado no laboratório de Microbiologia Clínica e Virologia
Vírus foi isolado no laboratório de Microbiologia Clínica e Virologia
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O vírus da doença foi isolado no laboratório de Microbiologia Clínica, Virologia e Diagnóstico de Bioemergência e "representa um resultado importante para a pesquisa científica", segundo a vice-governadora da Lombardia, Letizia Moratti.

A italiana explicou que, agora, "será possível testar a atividade dos medicamentos antivirais e testar a resposta de anticorpos dos pacientes que contraíram a infecção e da parcela da população vacinada contra a vírus da varíola".

Até o momento, a Itália contabiliza cinco casos na capital Roma, cinco na região da Lombardia, um na Emilia-Romana e um na Toscana.

Mais cedo, as autoridades sanitárias haviam anunciado um contágio na Ligúria, uma mulher de 22 anos que retornou no início da semana das Ilhas Canárias - arquipélago espanhol que pode estar na origem do surto da doença - e está internada no Hospital Policlínico San Martino, de Gênova.

No entanto, o governador da Ligúria e conselheiro de saúde, Giovanni Toti, informou que o teste da jovem para varíola de macacos deu negativo "O laboratório de San Martino informou que o teste na jovem que voltou das Canárias, e com uma doença que pode ser rastreada até a varíola, foi negativo, mesmo que ainda haja um período de observação conforme exigido pelo protocolo", declarou ele.

Hoje, a União Europeia decidiu avançar para a compra conjunta de vacinas e antivirais para combater o surto de "Monkeypox", informou o coordenador de vacinas da Suécia, Richard Bergstrom.

O vírus pode ser transmitido por gotas de saliva e por contato com fluidos corporais e lesões cutâneas, inclusive durante relações sexuais.

Já os sintomas são semelhantes aos da varíola humana - que está erradicada no mundo desde 1980 -, como febre, dores musculares e o surgimento de bolhas na pele, embora de forma mais leve.

O nome "varíola de macacos" se deve ao fato de o vírus ter sido descoberto em colônias de símios, em 1958. Atualmente, acredita-se que os roedores sejam os principais hospedeiros do patógeno.

O primeiro caso em humanos data de 1970, na República Democrática do Congo, durante os esforços para a erradicação da varíola.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade