0

Halimah Yacob é eleita primeira mulher presidente de Cingapura

13 set 2017
09h19
atualizado às 09h28
  • separator
  • comentários

Halimah Yacob, uma ex-presidente do Parlamento, foi eleita como a primeira mulher presidente de Cingapura nesta quarta-feira, depois que a autoridade eleitoral anunciou que ela foi a única candidata a se qualificar para a disputa.

Nova presidente de Cingapura, Halimah Yacob, e seu marido, Mohammed Abdullah Alhabshee, durante pronunciamento 13/09/2017 REUTERS/Edgar Su
Nova presidente de Cingapura, Halimah Yacob, e seu marido, Mohammed Abdullah Alhabshee, durante pronunciamento 13/09/2017 REUTERS/Edgar Su
Foto: Reuters

Com o objetivo de fortalecer o sentimento de inclusão na cidade-Estado multicultural, Cingapura decretou que a Presidência, um cargo essencialmente simbólico, seria reservado a candidatos da comunidade minoritária malaia desta vez.

"Embora esta seja uma eleição reservada, não sou uma presidente reservada", disse Halimah em um discurso na sede da autoridade eleitoral. "Sou uma presidente para todos".

Segundo as regras de candidatura, a experiência de Halimah no comando do Parlamento a qualificou automaticamente.

Dos quatro outros inscritos, dois não eram malaios e dois outros não receberam certificados de elegibilidade, informou o departamento eleitoral mais cedo nesta semana.

O último malaio a ocupar a Presidência foi Yusof Ishak, cuja imagem adorna as notas de dinheiro do país.

Yusof foi presidente entre 1965 e 1970, os primeiros anos da independência de Cingapura na esteira de uma união de curta duração com a vizinha Malásia, mas o Poder Executivo coube a Lee Kuan Yew, primeiro-ministro que inaugurou este cargo na nação.

A separação deu aos malaios étnicos uma maioria clara na Malásia, enquanto chineses étnicos formaram a maioria na independente Cingapura.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade