2 eventos ao vivo

Governo da Itália quer prorrogar estado de emergência até 31/1

Instrumento está em vigor desde janeiro deste ano

1 out 2020
07h59
atualizado às 08h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou nesta quinta-feira (1º) que pedirá ao Parlamento a prorrogação do estado de emergência em função da pandemia do novo coronavírus até 31 de janeiro.

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, proporá prorrogação do estado de emergência ao Parlamento
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, proporá prorrogação do estado de emergência ao Parlamento
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O anúncio foi feito durante uma visita do premiê a uma escola em San Felice a Cancello, no sul do país. "Iremos ao Parlamento para pedir a prorrogação do estado de emergência até 31 de janeiro", disse Conte.

Em vigor desde 31 de janeiro deste ano, esse instrumento valia inicialmente até 31 de julho, mas foi estendido até 15 de outubro. O objetivo do estado de emergência é agilizar a liberação de recursos para combater a pandemia, que já infectou cerca de 315 mil pessoas e deixou aproximadamente 36 mil mortos na Itália.

Entre outras coisas, o instrumento permite ao governo suspender voos e a entrada de viajantes provenientes de países de risco, instituir lockdown em áreas com novos focos de contágio e alugar navios para a quarentena de migrantes e refugiados que desembarcam na Itália.

A prorrogação do estado de emergência até 15 de outubro já foi alvo de protestos da oposição conservadora, que chama a medida de "liberticida".

A proposta de Conte chega em meio ao recrudescimento da pandemia no país: apesar de ainda estar longe dos números vistos no pico da crise, entre março e abril, a Itália vem de 10 semanas seguidas de crescimento nos novos casos e seis de alta nos óbitos.

"Eu sou sempre pela linha da máxima prudência e sempre mantive essa postura", disse nesta quinta o ministro da Saúde, Roberto Speranza.  

Veja também:

Erupção vulcânica obriga milhares a fugir na Indonésia
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade