1 evento ao vivo

FBI: Terrorismo doméstico e supremacistas brancos são ameaça

Inteligência dos EUA diz que impedir ataques exigiria a adoção do mesmo tipo de abordagem usada para combater extremismo internacional

6 ago 2019
17h30
  • separator
  • 0
  • comentários

O terrorismo doméstico nos EUA, principalmente o praticado por supremacistas brancos, é uma séria ameaça para os americanos, tão grande quanto o terrorismo vindo do exterior. O alerta foi feito pela agência federal de inteligência americana, o FBI "vários meses antes do ataque a tiros" em El Paso, Texas, segundo reportagem publicada nesta terça-feira pelo New York Times.

O ataque a tiros em El Paso foi o maior ataque terrorista doméstico contra hispânicos na história moderna, e foi um dos dois nos Estados Unidos em 13 horas neste fim de semana, quando outro atirador abriu fogo em Dayton, Ohio, e matou nove pessoas, incluindo sua irmã. Os dois ataques dão sinais de que os EUA estão mal preparado para combatê-lo.

Pessoas prestam homenagens após ataque em El Paso, no Texas, Estados Unidos
Pessoas prestam homenagens após ataque em El Paso, no Texas, Estados Unidos
Foto: Callaghan O'Hare / Reuters

Os Estados Unidos passaram quase 20 anos intensamente focados em ameaças de extremistas islâmicos. Os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 redirecionaram a máquina do governo para lutar contra as ameaças do Oriente Médio, Paquistão e Afeganistão. Mas os ataques diminuíram nos últimos anos, substituídos pela violência dos supremacistas brancos - um fenômeno cada vez mais baseado na internet e praticado por lobos solitários.

Na segunda-feira, o presidente Trump prometeu dar às autoridades federais "o que eles precisam" para combater o terrorismo doméstico. Mas mesmo antes do ataque, autoridades disseram que impedir ataques de supremacistas e nacionalistas brancos exigiria a adoção do mesmo tipo de abordagem ampla e agressiva usada para combater o extremismo internacional.

"Precisamos pegá-los e prendê-los antes que eles ajam", disse Rod Rosenstein, ex-vice-procurador-geral, ao NYTimes. "Precisamos ser pró-ativos, identificando e interrompendo potenciais terroristas antes que eles ataquem, e podemos conseguir isso monitorando a propaganda e as comunicações terroristas".

Terrorismo doméstico é dificil de combater nos EUA

Sob a lei federal dos EUA, isso é difícil, segundo o New York Times. Autoridades federais têm amplos poderes para interromper conspirações terroristas estrangeiras, dadas a elas como parte da Lei Patriótica aprovada após os ataques de 2001. Eles podem tomar medidas preventivas, como escutas telefônicas ou usar uma pessoa disfarçada para conversar anonimamente com pessoas em salas de bate-papo para procurar jihadistas.

Mas, domesticamente, as autoridades federais têm menos opções. Um estatuto federal define o terrorismo doméstico, mas não tem penalidades. A Primeira Emenda, que protege a liberdade de expressão, dificulta que investigações sejam conduzidas para impedir atos de terrorismo antes que eles aconteçam. Nenhuma agência governamental é responsável por designar organizações domésticas de terrorismo. E indivíduos que são considerados terroristas domésticos são acusados ??de leis que regem crimes de ódio, armas e conspiração, não terrorismo.

"É um grande ponto em branco", disse Mary McCord, ex-promotora de segurança nacional que elaborou uma proposta de lei para criminalizar o terrorismo doméstico não coberto pelas leis existentes. Isso incluiria a criminalização do armazenamento de armas destinadas a serem usadas em um ataque terrorista doméstico. A questão é urgente. Extremistas de direita mataram mais pessoas em 2018 do que em qualquer ano desde 1995, ano do ataque a bomba de Timothy McVeigh no prédio federal da cidade de Oklahoma. E o ataque em El Paso e um tiroteio em abril em uma sinagoga em Poway, na Califórnia, sozinhos já mataram tantas pessoas quanto todos os homicídios provocados "extremismo de qualquer tipo" em 2018, segundo o Centro para o Estudo do Ódio e Extremismo da Califórnia. Universidade Estadual de San Bernardino.

Um escritório do FBI em Phoenix divulgou recentemente um relatório que diz que as teorias de conspiração - frequentemente com conotações raciais e alimentadas pela disseminação online - se tornaram uma crescente ameaça à segurança nacional. Rosenstein disse que os órgãos de segurança precisam modelar sua resposta ao terrorismo doméstico após os esforços internacionais de combate ao terrorismo realizados após os ataques de 11 de setembro.

"Da mesma forma que membros honoráveis ??de mesquitas denunciam pessoas que expressam projetos violentos, o mesmo vale para as pessoas que denunciem nacionalistas brancos violentos à polícia", diz o relatório. A proteção da Primeira Emenda dos direitos dos cidadãos de se engajar em discursos de ódio dificulta o rastreamento de ataques antes que eles aconteçam.

"Do ponto de vista dos tribunais, a supremacia branca é uma forma de discurso odiosa mas protegida", disse ao New York Times Jonathan Turley, especialista em direito constitucional da Universidade George Washington. "O que os tribunais resistem são esforços para classificar movimentos inteiros como violentos como resultado das ações de alguns de seus membros."

O risco dos supremacistas brancos

O problema afeta todos os aspectos da vida americana - política, liberdades civis e negócios - e envolve novas questões complicadas em torno da questão da tecnologia. Quanto as empresas de tecnologia e comunicações, incluindo as grandes plataformas de mídia social, estarão dispostas a compartilhar informações sobre os clientes domésticos com as agências de aplicação da lei? Na internet, nacionalistas brancos podem se alinhar com outros radicais, se inspirar e encontrar os recursos de que precisam para agir sozinhos - um processo que também ajudou extremistas estrangeiros a se tornarem terroristas.

Talvez o mais importante, um novo enfoque na violência da supremacia branca testaria se os norte-americanos aceitam táticas agressivas de aplicação da lei quando os alvos não são muçulmanos, mas americanos brancos.

"Se eles fizessem a mesma coisa que fizeram com os muçulmanos, diriam que todo homem branco é um potencial terrorista", disse Martin Stolar, advogado de direitos civis de Nova York. "Você não pode fazer isso com pessoas brancas. A repercussão seria escandalosa."

O aumento da ameaça da supremacia branca tem acompanhado uma crescente racialização e divisão no debate sobre imigração. Trump usou uma linguagem etnonacionalista que seus oponentes argumentam estar despertando extremistas políticos. Mesmo nos últimos anos, alguns líderes políticos demoraram a reconhecer a existência do terrorismo doméstico: após o atentado à cidade de Oklahoma, Newt Gingrich, na época presidente da Câmara, recusou-se a realizar audiências sobre o terrorismo nacionalista branco.

Nos anos seguintes, a natureza da supremacia branca mudou. Os supremacistas brancos, em sua maioria, operavam em grupos, muitas vezes vivendo na mesma área, disse ao Times Brian H. Levin, diretor do Centro para o Estudo do Ódio e Extremismo. Os líderes tinham algum controle sobre o momento e a escolha dos alvos. Ele citou como exemplos os grupos arianos, a Ku Klux Klan e grupos skinheads nazistas locais.

"As hierarquias de cima para baixo do passado têm sido cada vez mais suplantadas por um conjunto mais democratizado e disperso geograficamente de 'faça-você-mesmo errático'", disse ele. "Agora, os chamados lobos solitários são turbinados por uma teia escura fragmentada e repleta de ódio que se tornou um moderno campo de treinamento neonazista virtual, em qualquer lugar do mundo com uma conexão à internet."

Exemplos desses tipos de atores são os responsáveis pelos ataques a tiros na sinagoga de Poway, o tiroteio em massa em uma sinagoga em Pittsburgh no outono passado e agora, de acordo com as autoridades, o ataque de El Paso.

Enquanto estes homens frequentemente agem sozinhos, o F.B.I. diz que a tecnologia permitiu que terroristas americanos se conectassem a uma comunidade global de terroristas que adotam ideologias igualmente odiosas. Os terroristas domésticos estão cada vez mais citando terroristas no exterior em seus assassinatos. Em seu manifesto, o suspeito do tiroteio de El Paso disse que concordou com o atirador que atacou duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia. O suspeito na Nova Zelândia disse no manifesto que foi inspirado por Dylann Roof, que assassinou nove pessoas na Igreja Episcopal Metodista Africana Emanuel em Charleston, na CArolina do Sul.

Terrorismo doméstico copia os jihadistas

Ali Soufan, um ex-agente do F.B.I. que tem um centro de estudos sobre terrorismo, e autor do livro "Anatomia do Terror", disse ter ficado impressionado com o quanto os supremacistas brancos se assemelham aos jihadis que ele passou tantos anos combatendo. "Há uma impressionante semelhança entre jihadistas e supremacistas brancos, e vai muito além de usarem as mídias sociais para disseminar sua ideologia", disse ele.

Ambos usam a violência para remodelar a sociedade à sua própria imagem. Ambos usam vídeos de recrutamento que enfatizam um estilo de vida de "pureza", militância e condicionamento físico. Jihadis compartilham vídeos de decapitação, enquanto extremistas de direita compartilham a transmissão ao vivo do ataque na Nova Zelândia. Ele disse que a Ucrânia agora é um local de encontro global para os supremacistas brancos, assim como o Afeganistão era para os jihadistas nos anos 80.

"Isso está se tornando uma rede global de muitas maneiras diferentes, assim como já vimos com os jihadistas antes deles", disse Ali Soufan. Investigadores federais também descobriram elementos supremacistas brancos nas prisões. Em março, promotores federais no Alasca anunciaram que uma investigação resultou em acusações contra 18 membros e associados de uma gangue de supremacia branca conhecida como 1488s. Em maio, um grande júri federal indiciou membros de uma gangue de prisioneiros, Arian Knights (Os Cavaleiros Arianos), que havia operado em Idaho.

A acusação no caso do Alasca descreveu os 1488 como uma gangue com dezenas de membros operando no Alasca e em outros lugares. David Neiwert, que há muito tempo fala sobre o extremismo branco no noroeste dos EUA, e trabalhou com o Southern Poverty Law Center, disse que vê a ameaça dos grupos racistas voltando aos níveis dos anos 1980, quando neonazistas se mudaram para o país, em uma tentativa de criar um etnoestado branco no noroeste dos EUA. Nos anos 90 e 2000, esses grupos perderam muito de seu poder e diminuíram.

Neiwert disse que pessoas com simpatias extremistas agora estão se organizando online e se ligando a grupos que não são tão explícitos quanto às suas crenças na supremacia branca. "As agências locais, em particular, devem estar melhor equipadas", disse Neiwert. "Por outro lado, o F.B.I. e o Departamento de Justiça provavelmente poderiam fazer um trabalho melhor de equipar a polícia local. "

O papel de Google e Facebook

À medida que a ameaça terrorista internacional evoluiu para incluir atores mais solitários, radicalizados on-line, e não em células terroristas no exterior, o FBI. procurou alistar empresas de tecnologia em seus esforços para combater a ameaça. Mas as empresas demoraram a responder - e foram protegidas, em parte, pela Primeira Emenda.

"Já faz muito tempo que as empresas de tecnologia compreendam o papel que a mídia digital desempenha na disseminação do discurso de ódio, assédio e incitação à violência", disse Joan Donovan, diretor do projeto de Tecnologia e Mudança Social do Shorenstein da Harvard Kennedy School. "Geralmente, uma parte do conteúdo é revisada somente se alguém a sinalizar primeiro."

Sob intensa crítica por sua reação tardia à desinformação e ao conteúdo odioso após a eleição presidencial de 2016, as empresas de tecnologia começaram a adotar uma abordagem mais pró-ativa para desinformação e discursos de ódio. Na maioria dos casos, as porta-vozes do Google e do Facebook disseram que as empresas atuam contra conteúdo de supremacia branca apenas quando representam uma ameaça iminente à vida, ou quando estão cumprindo com solicitações legais válidas.

Em maio, o Facebook expulsou sete de seus usuários mais polêmicos, incluindo Alex Jones, o teórico da conspiração e fundador da Infowars, e Laura Loomer, uma ativista de extrema direita.

Mas os críticos dizem que isso não é suficiente. "A supremacia branca, pelo menos no Facebook, era vista como uma ideologia política que poderia ser mantida", disse Jessie Daniels, professora de sociologia da Universidade da Cidade de Nova York e autora de um livro sobre supremacia branca. "Foi só recentemente que eles disseram reconhecer a supremacia branca como uma ideologia de violência".

Daniels disse que havia uma lição importante sobre o que aconteceu com Milo Yiannopoulos, um provocador de direita, depois que ele foi proibido de usar o Twitter e o Facebook. "Milo sumiu desde que isso aconteceu. Eu realmente acho que é um argumento em favor desta estratégia ", disse ela. "Ele perdeu um contrato de livro e está falido. Isso mostra que sem tirar a plataforma é uma ferramenta útil e precisamos encontrar mais maneiras de adotá-la nos EUA. "

Daniels e outros dizem que os algoritmos das empresas para decidir o que constitui conteúdo de extrema-direita são insuficientes para lidar com a ameaça. Muitas vezes, eles confiam nos usuários e, em muitos casos, em nomes e conteúdo que se infiltram na mídia, para decidir quais conteúdos e contas devem ser retirados.

"Chegamos a posição em que essas empresas ultrapassaram sua capacidade de segurança. Não sabemos quais devem ser os próximos passos ", disse Daniels. "Estamos em um vínculo bastante significativo agora que temos uma indústria de tecnologia muito grande da qual todos dependemos, e não sentimos que podemos confiar neles para nos manter seguros".

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade