1 evento ao vivo

Snowden deve conseguir asilo na Rússia, apesar de pressão americana

Snowdem é procurado pelos EUA pelo vazamento de informações sobre programa americano de espionagem

13 jul 2013
09h10
atualizado às 09h22
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Edward Snowden é acusado de espionagem, roubo e uso indevido de propriedade do governo dos EUA
Edward Snowden é acusado de espionagem, roubo e uso indevido de propriedade do governo dos EUA
Foto: AP

Após três semanas bloqueado no aeroporto de Moscou, o ex-consultor americano de inteligência Edward Snowden parece próximo de obter asilo temporário na Rússia.

Pouco depois de uma reunião na sexta-feira com treze defensores dos direitos Humanos, advogados e políticos ligados ao poder, o presidente da Duma (câmara baixa do Parlamento), Sergueï Narychkine, declarou que a Rússia deve acolher em seu território este "defensor dos direitos Humanos admirado por milhões de pessoas no mundo inteiro".

O famoso advogado Anatoly Koutcherena, membro da Câmara Pública, um órgão consultivo ligado ao Kremlin, prometeu por sua vez dar assistência jurídica ao fugitivo americano de 30 anos, que pediu asilo político à Rússia, a fim de poder viajar "legalmente" para a América Latina.

A Venezuela ofereceu asilo a Snowden, assim como Nicarágua e Bolívia. "Vou ajudá-lo a navegar pelas nuances da legislação russa" em vista da obtenção de asilo, declarou Koutcherena, que participou do encontro de sexta-feira, ao canal público Vesti 24.

"Após tê-lo escutado, confio absolutamente nele (...) Ele está indignado com a violação dos direitos Humanos no mundo. É preciso ajudar um homem como ele", acrescentou. Segundo o advogado, o procedimento para obter asilo poderia levar "entre duas e três semanas".

"É preciso apresentar uma solicitação ao serviço de Imigração, que será examinado por uma comissão. Se a comissão tomar uma decisão positiva, o chefe de Estado assina um decreto neste sentido", explicou o advogado.

Entrevistado neste sábado pela rádio Echo de Moscou, o porta-voz do presidente russo Vladimir Putin, Dmitri Peskov, declarou ser "impossível falar de prazos neste caso".

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, declarou por sua vez que as autoridades russas "não estão em contato com Snowden", ressaltando que para dar início ao procedimento o americano deve entrar em contato com o serviço de Imigração.

"Snowden finalmente saiu das sombras e pediu asilo político" e a Rússia "irá acolhê-lo para frustrar o Departamento de Estado", escreveu neste sábado o tabloide Moskovsky Komsomolets.

O presidente Barack Obama conversou por telefone com o presidente russo sexta-feira à noite, depois que a Casa Branca advertiu Moscou a não dar uma "plataforma política" ao ex-consultor de inteligência, concedendo-lhe asilo.

A conversa estava prevista há vários dias. A Casa Branca não divulgou detalhes do telefonema. Snowdem é procurado pelos Estados Unidos pelo vazamento de informações sobre o vasto programa americano de espionagem de comunicações em todo o mundo.

"Ele disse que não pode permanecer indefinidamente no aeroporto e que o único caminho de garantir a sua segurança na Rússia seria pedindo asilo", escreveu em seu blog Tatiana Lokchina, da organização Human Rights Watch, que participou da reunião com o americano.

Na semana passada, Snowden, que trabalhava para uma empresa que prestava serviços à Agência de Segurança Nacional (NSA), apresentou uma solicitação de asilo político a cerca de 20 países, incluindo a Rússia.

O porta-voz do Kremlin ressaltou que Snowden deve parar com suas atividades contra os Estados Unidos para que possa permanecer na Rússia. Em troca, o ex-consultor prometeu "não prejudicar mais os Estados Unidos", disse um participante da reunião de advogados e ONGs com o foragido americano no aeroporto de Moscou. O americano está bloqueado no aeroporto de Moscou desde 23 de junho, quando chegou proveniente de Hong Kong.

Veja também:

Bocelli se sentiu "humilhado e ofendido" por lockdown
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade