0

Itália: 75 imigrantes estão desaparecidos após naufrágio

Cerca de 500 imigrantes e refugiados morreram no Mar Mediterrâneo em 2014, de acordo com dados da Agência de Refugiados das Nações Unidas

2 jul 2014
13h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Bombeiros recuperam&nbsp;um dos corpos encontrados em um barco de pesca que estava cheio&nbsp;de imigrantes, depois que a embarca&ccedil;&atilde;o&nbsp;foi rebocada&nbsp;pela Marinha italiana no porto siciliano de Pozzallo, em&nbsp;1&ordm; de julho</p>
Bombeiros recuperam um dos corpos encontrados em um barco de pesca que estava cheio de imigrantes, depois que a embarcação foi rebocada pela Marinha italiana no porto siciliano de Pozzallo, em 1º de julho
Foto: Antonio Parrinello / Reuters

Ao todo 75 imigrantes desapareceram depois do naufrágio da embarcação na qual viajavam junto com outras 27 pessoas, que foram resgatadas pela marinha militar italiana e chegaramna última terça-feira ao porto siciliano de Catânia, informou nesta quarta-feira a Agência de Refugiados das Nações Unidas (UNHCR).

Segundo o testemunho dos resgatados referido por UNHCR, um total de 75 pessoas se encontram a essas horas desaparecidas nas águas do Canal do Sicília depois que a embarcação naufragou, em circunstâncias desconhecidas e que estão sendo investigadas pelas autoridades italianas.

Na manhã de hoje, a marinha militar informou que são 45 os imigrantes que morreram por asfixia, em 30 de junho, a bordo de um barco no qual viajavam junto com outras 566 pessoas procedentes do norte da África rumo à costa da Sicília.

Os cadáveres e os outros 566 imigrantes ilegais desembarcaram nesta quarta-feira no porto de Pozzallo (Sicília), após ser socorrido pela Armada italiana há dois dias, quando foi informado, então, que os mortos eram 30.

A UNHCR lamenta "com profunda dor essa nova tragédia" e alerta que, neste ano, cerca de 500 imigrantes e refugiados morreram no Mar Mediterrâneo, segundo dados da organização.

Veja também:

Penteado "estilo quarentena" virou coisa do passado
EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade