PUBLICIDADE

Coronavírus: cruzeiro 'pária' consegue autorização para atracar após 5 rejeições por medo de infecções

Mais de 2 mil passageiros de navio americano ficaram presos em alto-mar por causa de temores sobre novo vírus.

13 fev 2020 08h06
ver comentários
Publicidade
Depois de semanas de incerteza, Westerdam recebeu autorização para atracar no Camboja
Depois de semanas de incerteza, Westerdam recebeu autorização para atracar no Camboja
Foto: AFP / BBC News Brasil

Um cruzeiro isolado em alto-mar por causa do novo coronavírus foi finalmente autorizado a atracar no Camboja.

O MS Westerdam foi rejeitado por cinco lugares na Ásia nos últimos dias.

Outro cruzeiro em quarentena no Japão tem mais de 200 pessoas infectadas — mas Westerdam, com mais de 2 mil tripulantes e passageiros, não tem nenhum caso confirmado.

Na terça-feira (11/02), o cruzeiro tentou atracar em Bangcoc, na Tailândia, mas não recebeu autorização.

Um navio da Marinha tailandesa o escoltou para fora do Golfo da Tailândia, de onde seguiu para o Camboja.

Na manhã desta quinta-feira (13/02), o navio finalmente chegou a um ponto de ancoragem na cidade portuária de Sihanoukville.

"Nesta manhã, apenas ver terra foi um momento de tirar o fôlego", disse à Reuters a passageira Angela Jones, dos EUA. "Pensei: isso é real?"

O Westerdam, administrado pela Holland America Line, com sede nos EUA, partiu de Hong Kong em 1º de fevereiro com 1.455 passageiros e 802 tripulantes a bordo.

O cruzeiro estava programado para durar duas semanas — e com esses 14 dias chegando ao fim, havia preocupações com suprimentos de combustível e alimentos.

Antes da Tailândia, Taiwan, Guam, Filipinas e Japão haviam rejeitado o navio.

"Tivemos vários momentos em que chegamos quase lá; pensamos que estávamos indo para casa, mas acabávamos rejeitados", disse Jones.

O capitão do navio, Vincent Smit, disse que o navio ancoraria fora de Sihanoukville para permitir que as autoridades realizassem exames de saúde a bordo.

Os passageiros vão poder, então, desembarcar e voltar a seus países de origem a partir da capital do país, Phnom Penh.

A embaixada dos EUA no Camboja disse que enviou uma equipe para ajudar seus cidadãos a planejar seu retorno para casa.

Passageiros tiveram de lidar com tempo ocioso
Passageiros tiveram de lidar com tempo ocioso
Foto: Reuters / BBC News Brasil

A decisão do Camboja de receber o MS Westerdam foi elogiada pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Foi "um exemplo da solidariedade internacional que sempre pedimos", disse Tedros Ghebreyesus.

Os passageiros a bordo de Westerdam passaram por exames de saúde rotineiros, e até o momento não houve casos confirmados.

Já o cruzeiro isolado no Japão, em quarentena no porto de Yokohama, atualmente tem mais de 210 casos confirmados, tornando o Diamond Princess o maior aglomerado de infectados por coronavírus fora da China.

Nem todos os passageiros foram examinados e o número de casos pode continuar aumentando. Outros 44 testaram positivo para o vírus nesta quinta-feira.

Outro cruzeiro ficou em quarentena por vários dias nos arredores de Hong Kong, porque um passageiro havia sido anteriormente diagnosticado com o vírus.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade