PUBLICIDADE

Mundo

Como Suécia 'deixou de ser um país seguro'

País escandinavo vê violência de gangues chegar a cidades e bairros outrora pacíficos.

13 dez 2023 - 05h52
Compartilhar
Exibir comentários
Polícia patrulha as ruas depois que um homem foi morto a tiros em setembro em um subúrbio ao sul de Estocolmo
Polícia patrulha as ruas depois que um homem foi morto a tiros em setembro em um subúrbio ao sul de Estocolmo
Foto: SHUTTERSTOCK / BBC News Brasil

Os tiroteios e atentados a bomba que assolaram as maiores cidades da Suécia se espalharam para subúrbios e cidades mais tranquilas, abalando a reputação do país como uma nação segura e pacífica.

Meia hora ao norte do centro de Estocolmo, Upplands-Bro tem clubes náuticos à beira do lago, vilas de madeira vermelho-cobre e apartamentos ladeados por pinheiros.

Mas um rapaz de 14 anos foi encontrado morto numa floresta aqui em agosto, e desde janeiro têm havido vários tiroteios e ataques contra casas e apartamentos.

"É horrível. Fomos acordados por explosões na vizinhança e é assustador", diz Anna Petterson, de 42 anos, que mora em Bro e tem três filhos. "É algo de que estamos cientes, falamos muito e temos medo."

A Suécia tem sido um centro europeu de tiroteios e atentados a bomba relacionados com gangues há vários anos.

Mas, recentemente, a violência se deslocou para fora das áreas urbanas vulneráveis e de baixa renda. A polícia afirma que uma das razões é que os membros das gangues têm cada vez mais como alvo os familiares dos rivais.

Investigadores suspeitam que parte da violência mais recente foi organizada por líderes criminosos baseados em outros países, incluindo a Turquia e a Sérvia.

Mais de 50 pessoas foram mortas em tiroteios até agora em 2023, e houve mais de 140 explosões. No ano passado, mais de 60 pessoas morreram em violência armada, o maior número já registrado.

"O que começou como violência armada entre gangues de jovens que procuravam defender o seu território transformou-se num círculo vicioso de tráfico de armas de fogo e violência armada", explica Nils Duquet, investigador de armas de fogo do Flemish Peace Institute, em Bruxelas.

"As gangues também amadureceram. Não são mais apenas criminosos de rua, mas também estão muitas vezes ligadas a criminosos de alto escalão."

Espectadores inocentes também estão entre os mortos.

Em setembro, um homem de 70 anos e outro de 20 anos foram mortos num tiroteio num pub em Sandviken, no centro da Suécia, e um professor recém-formado, de 24 anos, morreu numa explosão nos arredores da cidade universitária de Uppsala.

Dois homens morreram e uma mulher e outro homem ficaram feridos quando um homem armado abriu fogo neste bar lotado em Sandviken.

Pouco depois, o primeiro-ministro da Suécia, Ulf Kristersson, fez um raro discurso nacional, admitindo que "nenhum outro país na Europa" estava passando por esse tipo de situação. Ele prometeu penas mais duras para a violência mortal.

Evin Cetin, escritora e advogada que representou adolescentes vítimas de tiros e suspeitos, diz que meninos de 13 ou 14 anos estão sendo recrutados por gangues, muitas vezes por meio de promessas de dinheiro e roupas de grife nas redes sociais.

"As crianças usam as suas próprias malas não para carregar livros, mas carregam os mercados de droga na Suécia nos seus próprios ombros", disse ela à BBC durante uma visita a Upplands-Bro, parte de uma visita escolar nacional a mais de uma dúzia de áreas afetadas pelo crime de gangues.

Outros estão tentando resolver o problema organizando patrulhas em áreas afetadas pelas drogas e pela violência.

"Saímos por aí conversando com nossas crianças e jovens - isso aumenta a segurança", diz Libaane Warsame, durante uma caminhada noturna em Jarva, no norte de Estocolmo, em uma noite chuvosa e com vento forte de sexta-feira.

Jarva se parece com muitos subúrbios suecos, com blocos de apartamentos bem conservados, algumas lojas e uma floresta próxima. A principal diferença é que é mais multicultural do que muitos bairros e tem a taxa de desemprego mais elevada de Estocolmo.

Warsame começou a patrulhar as ruas depois que seu filho de 19 anos - que a polícia diz não fazer parte de uma gangue - foi morto em um tiroteio em dezembro de 2020.

A propagação da violência de gangues para áreas outrora pacíficas prejudicou a imagem da Suécia
A propagação da violência de gangues para áreas outrora pacíficas prejudicou a imagem da Suécia
Foto: AFP / BBC News Brasil

"É difícil para [os jovens] ficarem sentados em casa durante horas sem qualquer renda, sem qualquer trabalho. Então, eles saem e ficam por aí e há um grande risco de serem recrutados."

Ele também dirige uma organização que apoia famílias que perderam entes queridos para a violência armada.

Neste ano não houve nenhum tiroteio fatal em Jarva, mas muitos moradores locais dizem que continuam nervosos.

"Não saio tão tarde… porque não quero deixar minha mãe preocupada", diz Gizem Kuzucu, 17 anos.

Ela costuma passar as noites estudando no Framtidens Hus, um centro juvenil, e diz que nenhum de seus amigos teve problemas com a lei. Mas ela foi exposta ao crime nas redes sociais.

"Eu vi muitos vídeos no TikTok [nos quais] as pessoas estão falando sobre crime."

Outro adolescente do centro juvenil, Libaan, diz que cresceu rodeado de criminosos mais velhos e que "cometeu alguns crimes" quando era mais jovem.

"As crianças aqui são muito, muito más umas com as outras… elas não sabem como falar sobre suas emoções, então o que fazem é atacar", diz o jovem de 18 anos.

Libaane Warsame (à esquerda) patrulha as ruas à noite para combater a violência
Libaane Warsame (à esquerda) patrulha as ruas à noite para combater a violência
Foto: BBC News Brasil

A polícia sueca não mapeia atualmente as nacionalidades dos membros das gangues, mas uma investigação realizada pelo Conselho Nacional Sueco para a Prevenção do Crime em 2021 mostrou que os jovens nascidos na Suécia, filhos de pais estrangeiros, estavam sobrerrepresentados como suspeitos em casos de homicídio e roubos.

O governo de coligação de direita, eleito em setembro de 2022, acredita que o aumento da violência das gangues nos últimos anos está diretamente ligado às anteriores políticas de imigração da Suécia. Até 2016, o país tinha uma das leis de asilo mais generosas da Europa.

"Podemos agora ver que a 'exterioridade' e a falta de integração, em combinação com o comércio de narcóticos e o crime organizado, estão criando essa mistura muito, muito tóxica", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Tobias Billstrom, à BBC em setembro.

O governo quer tornar mais difícil aos imigrantes de fora da União Europeia obter benefícios sociais e tornar a pré-escola obrigatória para crianças com pais estrangeiros em algumas áreas, a fim de melhorar as competências na língua sueca.

No início deste ano, tornou-se crime recrutar crianças para participarem de atividades criminosas. E legisladores pretendem duplicar as penas para crimes com armas de fogo e explosões.

A BBC procurou o governo sueco para discutir esses planos, mas não teve respostas.

No Conselho Nacional Sueco para a Prevenção do Crime, órgão financiado pelo governo, a investigadora Klara Hradilova-Selin acredita que o combate ao crime de gangues "deveria ter sido uma questão mais importante" para gestões anteriores, tanto à direita como à esquerda do espectro político.

"Há colegas meus que alertaram, décadas atrás, sobre esse tipo de desenvolvimento de marginalização crescente nas áreas desfavorecidas."

As preocupações sobre a forma como os conflitos entre gangues estão afetando a imagem internacional do país também estão aumentando.

"A Suécia sempre foi vista como um país extremamente seguro. Talvez um dos países mais seguros do mundo. E essa imagem está desmoronando", afirma Hradilova-Selin.

De acordo com um inquérito recente realizado pela Câmara de Comércio de Estocolmo, oito em cada dez empresas suecas questionadas acreditam que será mais difícil atrair talentos, investimentos e visitantes estrangeiros devido à violência contínua.

No centro juvenil Framtidens Hus, os adolescentes têm a oportunidade de dirigir, dançar e fazer podcasts. O ex-criminoso Libaan diz que gostaria de um trabalho que envolvesse escrever ou ajudar outras pessoas, mas acredita que seu futuro também depende da forma como é tratado pelos outros suecos.

"Não me sinto incluído na cultura, embora tenha nascido aqui. Eles meio que me veem como um garoto do gueto que não tem futuro."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade