PUBLICIDADE

Com casos de Covid em alta, Catalunha vai impor toque de recolher

14 jul 2021 17h39
ver comentários
Publicidade

A Catalunha, com uma das maiores taxas de infecção de coronavírus na Espanha, afirmou nesta quarta-feira que introduzirá um toque de recolher em 158 cidades, em um momento no qual as contaminações cresceram especialmente entre pessoas jovens.

Turistas e moradores locais nas ruas de Barcelona
 10/7/2021   REUTERS/Nacho Doce
Turistas e moradores locais nas ruas de Barcelona 10/7/2021 REUTERS/Nacho Doce
Foto: Reuters

O toque de recolher, que precisa ser autorizado pelos tribunais, seria entre 1h e 6h, por um período de sete dias, em regiões com mais de 5.000 habitantes e com uma alta taxa de incidência do vírus, incluindo locais turísticos como Barcelona, Sitges, Salou e Lloret de Mar.

"A situação é muito delicada, extremamente frágil… é necessária uma medida para aliviar a tensão do sistema de saúde", afirmou o líder do governo da Catalunha, Pere Aragones, em um pronunciamento pela televisão, acrescentando que espera que o toque de recolher entre em vigor neste fim de semana.

A Espanha, que encerrou um toque de recolher nacional no começo de maio, registrou na quarta-feira um aumento de 26.390 casos em comparação à terça, e a média móvel de 14 dias chegou a quase 470 casos a cada 100.000 pessoas na quarta-feira, após 437 casos no dia anterior.

Em uma tentativa de combater o crescimento dos casos, a região de Valencia restaurou um toque de recolher em mais de 30 cidades na segunda-feira, e a região de Cantabria, no norte, afirmou que buscaria aprovação dos tribunais para introduzi-lo em 53 cidades.

E um tribunal local rejeitou um pedido semelhante das turísticas Ilhas Canárias na quarta-feira.

O aumento em casos levou a um crescimento de internações no país, embora a taxa de ocupação permaneça menor do que em ondas anteriores da pandemia.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade