PUBLICIDADE

Bolívia diz que grupo ligado a atentado no Haiti participou de trama contra presidente boliviano

18 out 2021 19h45
ver comentários
Publicidade

Os membros de um grupo envolvido no assassinato do então presidente haitiano, Jovenel Moise, em julho, haviam conspirado para assassinar o presidente da Bolívia, Luis Arce, em 2020, afirmou o ministro boliviano do Interior nesta segunda-feira.

Presidente da Bolívia, Luis Arce, em La Paz
06/08/2021
REUTERS/Manuel Claure
Presidente da Bolívia, Luis Arce, em La Paz 06/08/2021 REUTERS/Manuel Claure
Foto: Reuters

O ministro Eduardo del Castillo disse em entrevista coletiva que o governo teve acesso a emails, gravações de áudio e dados de imigração e de hotéis que provariam o plano fracassado contra Arce, um socialista que chegou ao poder no ano passado após um período divisivo de governo interino de direita.

"Estamos falando sobre o fato de que, dias antes das eleições de outubro de 2020, paramilitares que depois iriam assassinar o presidente do Haiti e mercenários contratados... estavam na Bolívia", disse Del Castillo, mostrando alguns dos materiais.

"A intenção era acabar com a vida do presidente".

Del Castillo tornou alguns dos dados disponíveis à imprensa. A Reuters não conseguiu confirmar imediatamente suas acusações.

A polarização na Bolívia tem sido profunda desde 2019, quando o líder socialista Evo Morales venceu uma eleição acirrada para selar o que seria seu quarto mandato no poder, apesar de limitações ao número de mandatos possíveis e do resultado de um referendo, no qual a maioria votou contra sua candidatura.

A eleição foi anulada posteriormente após a Organização dos Estados Americanos (OEA) dizer que teria havido fraude eleitoral. Em meio a protestos generalizados, os militares retiraram o apoio a Morales, que renunciou e deixou o país, classificando o evento como um golpe de Estado.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade