0

Áustria diz que Rússia infiltrou espião no país por décadas

Militar teria vazado informações entre 1990 e 2018

9 nov 2018
16h22
atualizado às 17h43
  • separator
  • comentários

O governo da Áustria informou nesta sexta-feira (9) que um coronel aposentado do exército local é suspeito de ter prestado serviços de espionagem para a Rússia entre 1990 e 2018. O homem, que não foi identificado, tem 70 anos e é de Salsburgo, no centro-oeste do país. Ele teria fornecido informações a Moscou sobre as atividades do exército e a situação política do país por quase trinta anos.

Rússia nega acusações.
Rússia nega acusações.
Foto: EPA / Ansa - Brasil

"Isso significa que há um caso de espionagem aqui", disse o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, que afirmou que vai convocar embaixador russo em Viena para dar explicações.

Em Moscou, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, acusou a Áustria de fazer "diplomacia de microfone", fazendo "acusações públicas e cobrando explicações sobre assuntos que não temos [o governo russo] conhecimento". Lavrov acionou o embaixador russo na Áustria para dizer a Kurz que "as medidas de Viena, baseadas em suspeitas que não são baseadas por provas, já exacerbaram nossos laços que eram positivos".

O ministro da Defesa austríaco, Mario Junasek, disse que foi advertido sobre o caso "há algumas semanas" por agências de inteligência europeias. O espião seria um homem que se aposentou há cinco anos e teria fornecido informações sobre sistemas de defesa, movimentos migratórios para o país europeu e personalidades austríacas. Ele teve seus equipamentos eletrônicos, como laptop e celular vasculhados, mas as autoridades não informaram se ele está preso.

O chanceler austríaco disse que os recentes casos de espionagem, que também envolveram o Reino Unido e Holanda, "não ajudam na relação da Rússia com a União Europeia". Ele ainda anunciou que uma visita à Rússia da ministra de Relações Exteriores, Karin Kneissl, programada para os dias 2 e 3 de dezembro, foi cancelada. Kneissel foi criticada por ter convidado o presidente russo, Vladimir Putin, para sua festa de casamento, em agosto deste ano.

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade