4 eventos ao vivo

Argentina vê pedido alemão de viagem às Malvinas como apoio a reivindicação de soberania

22 jan 2021
11h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A empresa aérea alemã Lufthansa pediu ao governo argentino uma permissão para sobrevoar o país rumo às Malvinas, informou a Argentina na quinta-feira, acrescentando que o pedido implica um reconhecimento das Malvinas "como parte do território argentino", disse o Ministério das Relações Exteriores.

Aviões da Lufthansa em aeroporto da Alemanha
24/03/2020
REUTERS/Ralph Orlowski
Aviões da Lufthansa em aeroporto da Alemanha 24/03/2020 REUTERS/Ralph Orlowski
Foto: Reuters

Separadamente, a Lufthansa disse que fez a solicitação para dois voos de apoio a uma expedição de pesquisa polar porque a rota normal via Cidade do Cabo foi suspensa devido à pandemia de coronavírus.

Argentina e Reino Unido disputam há tempos a posse das Malvinas -- há décadas a primeira reivindica a soberania das ilhas sob controle britânico, chamadas de Falklands, o que provocou uma guerra curta em 1982.

O governo argentino disse que a Lufthansa pediu permissão para dois voos que devem levar cientistas e apoio logístico de Hamburgo a Mount Pleasant, nas Malvinas, onde continuarão a bordo do navio "Polarstern" rumo à Antártida para realizar pesquisas sobre a mudança climática.

Os dois voos de 15 horas estão agendados para 1º de fevereiro e 30 de março.

No último ano, a Argentina renovou o ímpeto para se reapossar das Malvinas, indicando um ministro para o território, dizendo que reformulará mapas que enfatizam sua reivindicação para serem usados em escolas e fazendo pressão na Organização das Nações Unidas (ONU).

O governo alemão não respondeu de imediato a um pedido de comentário da Reuters.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Veja também:

Harry revela presente de Natal da rainha Elizabeth a Archie
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade