1 evento ao vivo

Política externa de Bolsonaro tem primeiro teste em Lima

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, iniciou participação na reunião do Grupo de Lima para discutir a situação na Venezuela

4 jan 2019
14h05
atualizado às 16h21
  • separator
  • comentários

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, iniciou, nesta sexta-feira, 4, a sua participação na reunião de chanceleres do Grupo de Lima para discutir a situação na Venezuela. É o primeiro teste da nova diplomacia brasileira adotada pelo presidente Jair Bolsonaro, mais crítica ao regime de Nicolás Maduro e alinhada ao pensamento do presidente americano Donald Trump.

Antes da reunião, Araújo participou de uma reunião na residência do embaixador chileno em Lima que reuniu com outros cinco ministros das Relações Exteriores do continente. Segundo o Estado apurou, foi discutida a situação da Nicarágua e tudo relacionado à Unasul, bloco questionado por Bolsonaro durante a campanha eleitoral. O Grupo de Lima se encontra no Palácio de Tagle, em Lima. Ao todo, se reúnam chanceleres e representantes dos quatorze países do continente que compõem o Grupo Lima, incluindo Argentina, Colômbia, Chile e México.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossa Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores, no Palácio do Planalto, em Brasília.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) empossa Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores, no Palácio do Planalto, em Brasília.
Foto: Dida Sampaio / Estadão

"Nós admiramos aqueles que lutam contra a tirania da Venezuela e de outros lugares", disse Araújo ao tomar posse como chanceler na quarta-feira.

Maduro será reconduzido ao cargo de presidente da Venezuela em 10 de janeiro depois de vencer as últimas eleições. O encontro acontece no momento em que chanceleres da América Latina discutem a crise política, econômica e humanitária que a Venezuela enfrenta. Araújo atribui a crise à ruptura da ordem democrática naquele país.

Além disso, prevê-se a discussão de medidas de coordenação regionais para tentar restaurar a democracia na Venezuela, segundo uma fonte da embaixada brasileira. E, também, para tratar a onda migratória de cidadãos venezuelanos a outros países da região.

Espera-se que os ministros das Relações Exteriores e representantes dos países do Grupo de Lima emitam uma declaração conjunta após o encontro.

Grupo de Lima

O Grupo Lima, criado por iniciativa peruana é composta por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade