0

Cidadãos seguem velório em telões ante tribunal que condenou Mandela

12 dez 2013
12h56
atualizado às 12h57
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os cidadãos de Pretória se reuniram nesta quinta-feira para seguir o velório de Nelson Mandela através de telões instalados diante do Palácio da Justiça, onde o ex-presidente pronunciou em 1961 o discurso que o condenaria a passar 27 anos na prisão.

"É um ideal que espero viver e conseguir. Mas, se for necessário, é um ideal pelo qual estou disposto a morrer", foi a alegação de Mandela no Julgamento de Rivonia de abril de 1964, após o qual foi condenado à prisão perpétua e confinado na prisão de Robben Island até fevereiro de 1990.

O processo se desenvolveu no Palácio de Justiça da capital sul-africana, situado no Church Square, praça onde dezenas de pessoas acompanhavam pela televisão os atos em honra a Mandela, que hoje volta a ter seu epicentro no velório instalado na sede do Governo.

No começo da manhã, famílias e amigos olhavam os telões instalados em torno da escultura do ex-presidente "afrikáner" Paul Kruger. Jogados no gramado ou em cadeiras de plástico, cidadãos de Pretória comentavam a transmissão do velório de Mandela pela rede pública sul-africana, a SABC.

Enquanto isso, vários grupos de visitantes cruzavam a praça em seu caminho rumo ao Union Buildings, onde é possível visitar pelo segundo dia consecutivo o corpo de Mandela.

Durante o julgamento de Rivonia, em novembro de 1963, Mandela foi acusado junto a outras oito pessoas de conspiração para derrubar o Governo e em 12 de junho de 1964 foram condenados à prisão perpétua. Em 11 de fevereiro de 1990 - após árduas negociações com o Governo -, foi libertado após 27 anos preso.

Mandela morre aos 95 anos
Nelson Mandela morreu na noite de 5 de dezembro. Há meses ele combatia uma infecção pulmonar. Logo após o presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciar oficialmente o falecimento, líderes mundiais prestaram homenagem ao principal líder da luta contra o apartheid na África do Sul. A presidente Dilma Rousseff lembrou Mandela como a principal personalidade do século XX. O americano Barack Obama disse que Mandela "conseguiu mais do que se poderia esperar de qualquer homem".

No dia seguinte, jornais de todo o mundo repercutiram a notícia da morte em suas páginas. Milhares de sul-africanos se reuniram em frente a suas residências, ou em lugares que ele morou, para homenagearem o heroi nacional. No início da tarde, o presidente Zuma confirmou que a programação do funeral de Mandela durará 10 dias. Ele será enterrado em seu vilarejo natal, Qunu, no dia 15 de dezembro. 

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/mundo/infograficos/nelson-mandela/iframe.htm" href="http://noticias.terra.com.br/mundo/infograficos/nelson-mandela/iframe.htm">veja o infográfico</a>

Veja também:

Bolsonaro viraliza com uso e defesa polêmica da hidroxicloroquina
EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade