PUBLICIDADE

Mulher de Zanin assume escritório do casal e as ações da Lava Jato que ele deixou no STF

Futuro ministro começou a se desvincular de processos para tomar posse; Valeska Teixeira Zanin Martins continuará à frente da banca fundada pelo casal

24 jun 2023 - 15h40
(atualizado às 16h17)
Compartilhar
Exibir comentários
Cristiano Zanim e Valeska Teixeira Zanin Martins
Cristiano Zanim e Valeska Teixeira Zanin Martins
Foto: Foto: Reprodução/@cristianozanimmartins
De inspetor de escola a ministro: quem é Benedito Gonçalves, relator da ação contra Bolsonaro no TSE

A situação não é inédita. O ministro Dias Toffoli também é casado com uma advogada e era sócio dela antes de assumir a vaga no STF.

A lista de processos deixados por Zanin é longa. Inclui, por exemplo, a reclamação que levou o STF a declarar o ex-juiz e hoje senador Sergio Moro (União-PR) parcial ao julgar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Operação Lava Jato. A decisão reabilitou o petista politicamente e permitiu que ele disputasse e vencesse as eleições de 2022.

O advogado também deixou ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pedem a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro por espalhar fake news e ampliar gastos às vésperas da eleição.

Quando assumir a vaga no STF, Zanin precisará se dar por impedido para julgar todos os processos em que atuou como advogado. Durante a sabatina no Senado, parlamentares da oposição tentaram, sem sucesso, pressioná-lo a assumir o compromisso de se declarar suspeito para votar também em novas ações envolvendo Lula e a Operação Lava Jato. O nome do advogado foi aprovado pelos senadores com um dos maiores placares recentes: 58 votos a 18.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade