1 evento ao vivo

#Verificamos: Jean Wyllys não chamou ativistas para a posse

Boato que corre nas redes diz que deputado convidou 'dezenas' de militantes para ocuparem as galerias durante cerimônia com Bolsonaro

19 dez 2018
08h54
  • separator
  • 0
  • comentários

Circula nas redes sociais a "notícia" de que os partidos de oposição ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), teriam cedido ao deputado-federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) todos os ingressos que darão acessos às galerias no dia da posse presidencial para que ele convidasse dezenas de ativistas para o evento. O texto ainda "informa" que Wyllys compareceria ao ato vestindo um uniforme da Guarda Bolivariana Cubana. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que o material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

"O deputado Jean Wyllys convidou dezenas de ativistas (LGBT, CUT, MST, MTST, etc). Ele próprio já disse que irá usar um uniforme da Guarda Bolivariana Cubana e ficará com seus convidados na galeria"

Imagem que até as 16h30 do dia 17 de dezembro de 2018 já tinha sido compartilhada mais de 700 vezes no Facebook
Imagem que até as 16h30 do dia 17 de dezembro de 2018 já tinha sido compartilhada mais de 700 vezes no Facebook
Foto: Reprodução

FALSO

Procurada, a assessoria de imprensa do Senado Federal, responsável pela organização da cerimônia no Congresso, esclareceu que todos os parlamentares da atual Legislatura, reeleitos e não reeleitos, bem como os novos parlamentares eleitos nas eleições gerais de 2018 foram convidados para a posse presidencial e que os convites são pessoais e não podem ser transferidos. Ou seja, o deputado Jean Wyllys não poderia convidar ativistas para irem ao evento no lugar de parlamentares ausentes.  

A assessoria de imprensa do deputado confirmou que o parlamentar não convidou ninguém para o evento e que nem ele próprio pretende ir à cerimônia de posse de Bolsonaro.

Questionada sobre o possível uniforme da Guarda Bolivariana, a assessoria de Wyllys acrescentou, em nota "que qualquer cidadão minimamente informado sobre os artigos publicados pelo deputado Jean Wyllys e as declarações dele à imprensa sabe que o deputado nunca apoiou a ditadura de Maduro e, por esse motivo, já foi muito criticado ao longo dos últimos anos por outros setores da esquerda que defendem o atual regime venezuelano".

O deputado-federal Paulo Pimenta (PT-RS), líder do partido na Câmara, informou à Lupa que a orientação é para que os parlamentares petistas não compareçam ao evento. A informação de que esses convites seriam repassados ao Jean Wyllys é falsa.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Veja também

 

Agência Lupa
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade