0

#Verificamos: PF não apreendeu van com 152 urnas manipuladas

A falsa notícia alega que urnas conteriam votos para o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad

6 out 2018
11h17
atualizado às 11h24
  • separator
  • comentários

Circula nas redes sociais a "notícia" de que a Polícia Federal apreendeu 152 urnas, sendo que 121 delas conteriam votos para o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

Foto: Agência Lupa

"Acabou de dar na Record, PF prende uma van com 152 urnas eletrônicas, dessas 121 estavam preenchidas com voto para o Haddad com pelo menos 72% dos votos"
Imagem que circula no Facebook (aqui, aqui e aqui) e que, até as 10h do dia 6 de outubro, havia sido compartilhada mais de 43 mil vezes.

FALSO

Em nota, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmou que não há nenhum registro de van apreendida com urnas. A reportagem procurou, ainda, a suposta matéria da Record tratando sobre o assunto, mas não encontrou nenhuma.

Além disso, mesmo que algumas urnas fossem desviadas, elas possuem lacres físicos e digitais. Se ela chega com o lacre rompido no local de votação, não pode ser utilizada. E mesmo que não se perceba o rompimento do lacre, o software é protegido por criptografia e assinatura digital, que foram testados publicamente antes do início do período eleitoral.

Se, ainda assim, as urnas fossem manipuladas, antes do início da votação, todas elas emitem um documento chamado "zerésima". Trata-se do relatório de urna, a contabilização dos votos, naquele momento específico - o número, logicamente, deve ser zero. Ou seja, mesmo na hipótese de uma urna ser desviada e de incluírem votos dentro dela, essa fraude seria visível antes do início da votação.

Confira a íntegra da nota do TSE:

"A informação não procede. As urnas eletrônicas são preparadas em cerimônia pública presidida por um juiz eleitoral e acompanhada por ampla fiscalização (partidos políticos, Ministério Público e OAB). Nessa cerimônia, é possível verificar a integridade e a autenticidade do software. No mesmo evento, as urnas recebem lacres físicos, o que impede ou torna evidente qualquer tentativa de manipulação das urnas, do transporte até o local de votação.

Na urna, mesmo que violada, um atacante não teria sucesso em qualquer tipo de manipulação de dados ou aplicativos, uma vez que tudo está protegido por criptografia e assinatura digital. Esses mecanismos se mostraram plenamente eficazes no teste de confirmação do Teste Público de Segurança (TPS) do Sistema Eletrônico de Votação 2017, realizado em maio deste ano.

Finalmente, a urna é programada para receber votos somente a partir das 8h do dia da eleição. Antes de a votação começar, a urna emite o relatório "zerésima", que é impresso após a verificação de que não existem votos gravados na urna, comprovando que a urna está sem votos."

Essa informação também foi verificada pelos sites Boatos.org, e-Farsas e Fato ou Fake.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Veja também:

 

Agência Lupa
  • separator
  • comentários
publicidade