PUBLICIDADE

MC Reaça: autor do 'Funk do Bolsonaro' colecionou polêmicas

De férias no Guarujá, o presidente República foi flagrado dançando a música "Funk do Bolsonaro" acompanhado de apoiadores; a adaptação de "Baile de Favela" polemiza ao comparar mulheres com cadelas

23 dez 2021 16h22
ver comentários
Publicidade

Divulgadas nesta segunda, 20, as cenas do presidente Jair Bolsonaro dançando numa lancha o funk que leva seu nome reacenderam uma polêmica que, na prática, começou ainda em 2018, quando o Ministério Público Eleitoral de Pernambuco pediu a proibição da música, de autoria do MC Reaça. O artista criou uma paródia de "Baile de Favela", de MC João, comparando mulheres a cadelas e criticando a esquerda e opositores do presidente.

Durante as eleições de 2018, a paródia da música embalou a "Marcha da Família com Bolsonaro", evento que ocorreu no Recife.

Tales Alves Fernandes, conhecido também como MC Reaça ou Tales Volpi, declarou publicamente apoio à família Bolsonaro em 2018, durante as eleições.
Tales Alves Fernandes, conhecido também como MC Reaça ou Tales Volpi, declarou publicamente apoio à família Bolsonaro em 2018, durante as eleições.
Foto: Reprodução / Estadão

Tales Alves Fernandes, conhecido também como MC Reaça ou Tales Volpi, declarou publicamente apoio à família Bolsonaro em 2018, durante as eleições. O jovem publicava vídeos e usava suas paródias para atacar oponentes do então candidato a presidente.

Na paródia 'Suprema Vergonha Nacional', o cantor chama o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de "Formador de quadrilha".

O MC também divulgou canções elogiando o presidente, como é o caso da paródia de 'Não Tô Valendo Nada', da dupla Henrique e Juliano. Na música, Volpi diz que Bolsonaro é "patriota", "guerreiro" e que "resgata o orgulho de ser brasileiro".

MC Reaça era reconhecido ainda como grande fã de Olavo de Carvalho, 'guru' de Bolsonaro. O cantor, inclusive, fez referência ao livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para não ser um Idiota' do filósofo e escritor. Na composição, as ideias do livro são vendidas como a "cura" para o feminismo.

Tales Volpi foi encontrado morto na margem da rodovia D. Pedro I, em Valinhos, no interior de São Paulo em junho de 2019. Junto com o corpo do cantor foram encontrados seu capacete, carteira com documentos e uma quantia de R$ 602 e uma mala de roupa. O caso foi registrado pela Polícia Civil como "possível suicídio" - ele estava pendurado por uma corda em uma árvore. Horas antes, a família de uma jovem com quem Tales teria um relacionamento extraconjugal (ele era casado) acusou-o formalmente de agressão.

Ao saber da morte de seu apoiador, o presidente se pronunciou em rede social, mas não comentou sobre a possível causa da morte e nem sobre a acusação da jovem.

Estadão
Publicidade
Publicidade