PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Guilherme Mazieiro

CCJ da Câmara foca em endurecimento de penas para impor derrotas ao governo Lula

Planalto tem dificuldade para avançar em temas caros à base bolsonarista; em fevereiro, Senado aprovou fim das saidinhas

13 mar 2024 - 09h49
Compartilhar
Exibir comentários
Presidente da CCJ, deputada Carol de Toni (PL-SC), em sessão do colegiado nesta terça, 12
Presidente da CCJ, deputada Carol de Toni (PL-SC), em sessão do colegiado nesta terça, 12
Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), colegiado mais importante da Câmara, foca em pautas de segurança para impor derrotas ao governo Lula (PT). A recém-empossada presidente, Carol de Toni (PL-SC), pautou projetos que endurecem penas criminais e já lida com a obstrução da base governista.

Sem projetos claros e um discurso unificado na área de segurança pública, o governo Lula tem dificuldade para discutir essas pautas e evitar derrotas. Um caso recente, foi a votação sobre o fim das saidinhas de presos, aprovada no Senado

A CCJ se reuniu nesta terça, 12, mas não conseguiu avançar com os projetos de segurança. A base do governo, que é minoria no colegiado, consumiu tempo da sessão com falas e pedindo alteração da ordem de votação. As propostas estão na pauta da reunião desta quarta, 13. São três projetos principais:

Um é do deputado Kim Kataguiri (União-SP), que determina a pena mínima de 25 anos para quem for reincidente e cometer crimes graves por três vezes. Outra proposta é da deputada Carla Zambelli (PL-SP), e pretende ampliar as circunstâncias agravantes do crime de estelionato em casos de exploração sexual ou quando a vítima for refugiada. O terceiro é do Pastor Gil (PL-MA), e prevê o aumento de pena do crime de estelionato quando for cometido contra criança, adolescente, idoso, pessoa com deficiência ou com baixo nível de escolaridade.

À coluna, o deputado Kim disse que seu projeto foi pautado pela presidente sem que ele fosse consultado. Ele projeta que haverá pedido de vista (quando o projeto sai de pauta para mais tempo de avaliação) como parte da obstrução coordenada pela base do governo, mas que será aprovado quando retornar à pauta.

A presidente ainda não reuniu os membros do colegiado para alinhar os temas e pautas que serão debatidas. Enquanto isso, seguem na pauta os projetos de segurança e as articulações da base durante as sessões para tentar evitar derrotas para o governo.

A coluna apurou que a ida de Carol de Toni à presidência da CCJ não passou por uma discussão prévia de projetos e propostas que seriam pautados no colegiado. A escolha foi fruto de uma queda de braço do PL com as demais bancadas da Câmara por espaços de comando. A sigla comandada por Valdemar Costa Neto tem o maior número de deputados, 96, e por isso reivindicou o comando da principal comissão.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade