0

Gleisi e Haddad vão discutir com Lula quem será o vice do PT

Ex-prefeito de SP e Manuela D'Ávila, do PCdoB, estão entre os cotados para compor chapa do ex-presidente, preso na capital paranaense

3 ago 2018
14h41
atualizado às 14h55
  • separator
  • comentários

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e o coordenador do programa de governo do partido, Fernando Haddad, viajam para Curitiba nesta sexta-feira,3, para se encontrar com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado em segunda instância na Operação Lava Jato, para definir quem será o vice na chapa do PT à presidência nas eleições 2018.

A escolha de Haddad, segundo dirigentes, seria um indicativo de que o ex-prefeito é mesmo o favorito para substituir Lula na disputa presidencial caso o ex-presidente seja barrado pela Lei da Ficha Limpa.

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.
A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.
Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação / Estadão Conteúdo

As outras opções são Manuela d'Ávila, oficializada candidata à Presidência pelo PCdoB, ou um vice "laranja", do próprio PT, que cumpriria a função de ser um dos porta-vozes de Lula durante a campanha mas que poderia ser substituído em um segundo momento, quando a situação do ex-presidente estiver definida.

A indicação de Jaques Wagner, outro "plano B", para vice seria mais difícil porque o ex-ministro vai ter que registrar a candidatura ao Senado pela Bahia também até domingo.

A estratégia inicial do PT era que o Encontro Nacional de hoje homologasse o nome de Lula para candidato a presidente e delegasse à direção nacional do partido a incumbência de escolher o vice até o dia 14 de agosto.

No entanto, os advogados do PT chagaram à conclusão de que a estratégia é arriscada já que, embora existam jurisprudências conflitantes, a lei eleitoral prevê a escolha de candidatos a presidente e vice até 24 horas depois do prazo final para as convenções, que vence domingo.

Veja também:

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade